Estudo sugere que nojo é um mecanismo de defesa

Um novo estudo realizado pela Universidade de Washington sugere que a sensação de nojo é um mecanismo de defesa do corpo humano e ajuda a evitar o risco de doenças e infecções. Publicado no jornal Proceedings of the National Academy of Sciences, o estudo analisou o pessoal com maior propensão ao sentimento de nojo e o índice de doenças registradas nesses mesmos indivíduos.

Segundo o resultado, as pessoas que mais sentem nojo são expostas a muito menos agentes nocivos. Com isso, elas também ficam doentes com menos frequência e raramente têm infecções.

Sensação de nojo pode variar com condições diferentes

O estudo foi realizado com comunidades indígenas com diferentes hábitos e níveis de desenvolvimento socioeconômico. Por isso, os pesquisadores concluíram também que os entrevistados vivendo em áreas muito expostas aos vírus e bactérias nem sempre têm o luxo de sentir nojo em atividades diárias.

Esse é o caso de comunidades que precisam caçar seus próprios alimentos, por exemplo. Sendo assim, esses indivíduos não costumam sentir nojo com tanta frequência. Porém, aqueles que vivem em comunidades mais desenvolvidas e podem evitar esses hábitos costumam se sentir mais enjoados.

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Outro aspecto considerado pelo estudo foi o aspecto cultural dessas diferentes comunidades. Por exemplo, uma delas inclui insetos em sua dieta diária, enquanto a maioria das pessoas sente nojo de comer insetos. Portanto, é preciso analisar os aspectos culturais para entender como o nojo pode realmente agir como um mecanismo de defesa do organismo.

A nova pesquisa defende que o nojo, como emoção, pode limitar a exposição aos agentes que causam as doenças. Afinal, a sensação incentiva hábitos de higiene como lavar as mãos, higienizar superfícies antes de comer e lavar os alimentos que serão ingeridos. Por isso, a conclusão dos pesquisadores é que, mesmo em níveis diferentes, sentir nojo pode, de fato, ajudar você a evitar muitas doenças. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.