'Primo' da Terra de 4,6 bilhões de anos gera meteorito raro

Um meteorito solitário que pousou no deserto do Saara em 2020 é mais antigo que a própria Terra. A rocha espacial primitiva tem cerca de 4,6 bilhões de anos e é o exemplo conhecido de magma do espaço mais antigo já encontrado.

Sua idade e conteúdo mineral sugerem que a rocha se originou em nosso sistema solar inicial a partir da crosta de um protoplaneta — um grande corpo rochoso em processo de desenvolvimento em planeta.

O meteorito, chamado Erg Chech 002 (EC 002), é, provavelmente, um pedaço raro que sobreviveu de um planeta-bebê que foi destruído durante a formação do nosso Sistema Solar.

Pedaços dele foram encontrados em Adrar, Argélia, em maio de 2020, e os fragmentos eram de granulação relativamente grossa, bege, esporadicamente cravejados de cristais em tons de verde, amarelo e marrom, de acordo com o Instituto Lunar e Planetário. 

EC 002 é um acondrito, um tipo de meteorito que vem de um corpo original com crosta e núcleo distintos, e, de acordo com o Centro de Estudos de Meteoritos da Universidade Estadual do Arizona, não possui grãos minerais redondos (côndrulos).

(Maine Mineral and Gem Museum/Reprodução)(Maine Mineral and Gem Museum/Reprodução)

Uma raridade meteórica

Entre os milhares de meteoritos rochosos, o EC 002 se destacou. Versões radioativas, ou isótopos, de alumínio e magnésio indicaram que o pai do meteorito era um corpo antigo datado de 4.566 bilhões de anos atrás, e a composição química do EC 002 revelou que ele emergiu de um reservatório de magma parcialmente derretido na crosta do corpo pai. A maioria dos meteoritos rochosos vem de fontes com crostas basálticas - lava resfriada rapidamente que é rica em ferro e magnésio - mas a composição do EC 002 mostrou que a crosta de seu pai era feita de andesita, que é rica em sílica.

Embora o EC 002 seja altamente incomum, outros estudos descobriram que essas crostas de andesita infundidas com sílica eram provavelmente comuns durante o estágio de formação de protoplaneta do nosso sistema solar.

É razoável supor que muitos corpos condríticos semelhantes se agregaram ao mesmo tempo e foram cobertos pelo mesmo tipo de crosta primordial. No entanto, quando os cientistas observaram as "impressões digitais" espectrais de objetos cósmicos distantes e os compararam com EC 002, eles não encontraram correspondências.

Restos da crosta andesítica primordial são, não apenas raros no registro do meteorito, mas também na atual formação do cinturão de asteroides.


Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.