Dentes de soldados sugerem épica batalha grega há 2.400 anos

Historiadores identificaram, durante escavações na antiga colônia grega de Himera, Itália, evidências de indivíduos com traumas violentos e armas alojadas em seus ossos, localizadas em sepulturas no centro-norte da Sicília e datadas do século V a.C. Suspeitas indicam que os registros fazem referências a grupos de soldados que participaram das caóticas Batalhas de Himera (480 a.C. - 409 a.C.) e contam um pouco mais sobre a história militar da Grécia.

As primeiras escavações no sítio arqueológico ocorreram em meados de 2008, quando uma equipe de arqueólogos italianos iniciou trabalhos de pesquisa no exterior dos muros de Himera. Desde então, os pesquisadores vêm trabalhando na análise dos esqueletos de 132 indivíduos — incluindo estimar sua idade na morte e procurar sinais de doença —, e isso estimulou a antropóloga Katherine Reinberger, da Universidade da Geórgia, Estados Unidos, a se juntar com membros do Projeto Colônias Mediterrâneas para reunir novas amostras e confirmar os estudos anteriores.

(Fonte: Plos One / Reprodução)(Fonte: Plos One / Reprodução)

"Meus colegas e eu estávamos interessados em descobrir se os restos mortais dos soldados contavam a mesma história que os antigos historiadores", disse Katherine. "As fontes históricas dizem que eles eram provavelmente todos gregos, com alguns possivelmente de outras cidades da Sicília, como Siracusa ou Agrigento. De onde esses soldados realmente vieram?"

Após pesquisar isótopos de estrôncio e oxigênio no esmalte dentário de 62 dos indivíduos, a equipe conseguiu estabelecer um padrão de elementos incorporados desde suas infâncias, permitindo a formação de um "registro físico de suas origens" capaz de determinar se os soldados caídos eram de Himera ou não. As análises concluíram que grande parte dos guerreiros que participaram da primeira guerra (480 a.C.) não eram nativos, mas sim estrangeiros oriundos de locais para além do Mediterrâneo.

A participação dos estrangeiros

O estudo recente sugere que os exércitos da Grécia eram mais diversificados do que se acreditava e que eles contavam com a participação de soldados de várias regiões, incluindo mercenários contratados e fortemente armados. Aparentemente, a entrada dessas pessoas na guerra garantia cidadania e elegibilidade para papéis sociopolíticos, porém poucos documentos detalham a vida de forasteiros que possam ter assumido posições no lado grego.

(Fonte: Getty Images / Reprodução)(Fonte: Getty Images / Reprodução)

Felizmente, a descoberta na colônia de Himera traz uma nova perspectiva não somente dos combates, mas sobre a formação do poder e a obtenção de privilégios nos arredores da antiga Sicília, contando histórias que podem determinar muitos eventos caóticos que contribuíram para a expansão militar no continente.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.