Seja o primeiro a compartilhar

Como as plantas lidam com dias mais curtos e a perda da luz do dia

Enfrentar dias mais curtos, em que há menos luz, pode ser um desafio para muitas espécies, pois afeta o ritmo diário. No entanto, uma pesquisa recente da Universidade Estadual de Michigan (MSU) revela que as plantas têm sua maneira única de lidar com a perda de luz do dia.

O estudo, liderado por Tom Sharkey e Yair Shachar-Hill, membros do corpo docente da Faculdade de Ciências Naturais da MSU, desvenda os mecanismos adaptativos que as plantas desenvolveram para ajustar-se a diferentes durações do dia.

Mecanismos adaptativos das plantas

As plantas, notavelmente, possuem sistemas complexos para se adaptar a diferentes durações do dia. A pesquisa concentrou-se no estudo da Camelina sativa, uma cultura de oleaginosas, usando espectrometria de massa e metabolômica.

Camelina sativa. (Fonte: Getty Images/Reprodução)Camelina sativa. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

A conclusão do estudo revelou que as plantas têm a capacidade de ajustar o uso de sua energia com base na quantidade de luz solar que recebem. Em dias mais curtos, as plantas precisam ser mais eficientes na fotossíntese, então aumentam sua taxa fotossintética e reduzem a taxa respiratória. Além disso, investem mais energia nos brotos, onde a fotossíntese ocorre.

Armazenamento de energia durante o dia

Um mecanismo adicional que as plantas utilizam é o armazenamento de energia na forma de amido durante o dia. Isso permite que as plantas tenham uma fonte de energia disponível durante noites mais longas, quando a fotossíntese é limitada. Esse armazenamento de energia é fundamental para a sobrevivência das plantas em condições de luz do dia reduzida.

As plantas armazenam energia durante a noite. (Fonte: Getty Images/Reprodução)As plantas armazenam energia durante a noite. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Equilíbrio de carbono durante a noite

As plantas também retêm metabólitos em seus vacúolos e outros compartimentos celulares durante a noite. Isso ajuda a manter o equilíbrio de carbono durante a noite mais longa, garantindo que o vegetal tenha recursos suficientes para sobreviver e continuar seu crescimento.

Colaboração na pesquisa

A pesquisa realizada na MSU foi um esforço colaborativo que envolveu uma variedade de especialistas. A interdisciplinaridade desempenhou um papel crucial na compreensão desses mecanismos adaptativos das plantas, unindo pesquisadores de diferentes campos, como biologia vegetal, bioquímica e energia vegetal.

As descobertas desta pesquisa da MSU oferecem visões fascinantes sobre como os vegetais enfrentam a perda de luz do dia. Esses conhecimentos podem abrir portas para o desenvolvimento de novas variedades de culturas mais produtivas e resistentes às mudanças climáticas. Além disso, o estudo tem o potencial de aprimorar o crescimento das plantas, auxiliando na adaptação a condições de luz do dia variáveis.

À medida que continuamos a aprofundar nossa compreensão da biologia vegetal, podemos esperar avanços significativos na agricultura e na segurança alimentar global. Este é um exemplo de como a natureza sempre encontra soluções criativas para os desafios que enfrenta, e podemos aprender muito com ela.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.