Seja o primeiro a compartilhar

Família de Alexandre, o Grande, é identificada em tumba grega

Após anos de especulação e controvérsia, pesquisadores finalmente conseguiram identificar os ocupantes de três tumbas pertencentes à família de Alexandre, o Grande, no Grande Túmulo de Vergina, no norte da Grécia. Escavados pela primeira vez em 1977, os túmulos estão listados como Patrimônio Mundial da UNESCO.

Segundo os autores do novo estudo, eles "continham uma variedade surpreendentemente rica de bens funerários". No entanto, embora nunca tenha havido qualquer dúvida de que os ossos enterrados pertenciam a parentes próximos de Alexandre, os estudiosos passaram quase meio século discutindo sobre quem exatamente estava dentro de cada sepultura.

Túmulo do pai

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Para descobrir quem era quem nas tumbas, os autores do estudo decidiram combinar análises osteológicas, macrofotografia, raios-x e dissecações anatômicas de vestígios antigos com fontes históricas do passado. Ao fazer isso, eles descobriram que a primeira tumba carregava os ossos de um homem com um joelho machucado, bem como de uma mulher e de um bebê que tinha apenas alguns dias ou semanas de idade no momento da sua morte.

Com essas informações em mãos, eles concluíram que a figura masculina era o rei Filipe II da Macedônia — pai de Alexandre, o Grande —, uma figura conhecida por andar mancando. A idade extremamente jovem da criança também se alinha perfeitamente com a história do assassinato de Filipe em 336 a.C.

De acordo com a maioria das fontes, Filipe II foi morto por seu guarda-costas poucos dias depois do parto de sua esposa Cleópatra. Pensa-se que o assassinato foi ordenado pela esposa anterior de Filipe e mãe de Alexandre, Olímpia. Quase imediatamente após o assassinato, Olímpia teria matado também Cleópatra e seu bebê, possivelmente queimando-os vivos. Isso abriu espaço para que Alexandre sucedesse ao trono.

Restante dos cadáveres

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

De acordo com os investigadores, a evidência do esqueleto do recém-nascido é conclusiva que o primeiro túmulo pertence a Cleópatra e ao seu bebê, além de Filipe II, uma vez que o filho dos dois é o único recém-nascido assassinado conhecido de qualquer casal real macedônio.

Anteriormente, alguns estudiosos argumentavam que Filipe II havia sido enterrado na segunda tumba, que também contém os restos mortais de um homem e de uma mulher. No entanto, a ausência de um bebê, combinada com a ausência de sinais aparentes de trauma físico no esqueleto masculino, acabaram excluindo essa possibilidade. 

“Devido a representações e descrições antigas, alguns estudiosos sugeriram que alguns dos objetos da Tumba II, como a armadura, pertenciam a Alexandre, o Grande, o que só é possível se esta for a Tumba de Arrhidaeus, e não de Filipe II”, escreveram os autores.

Em vez disso, com base em evidências esqueléticas de cavalgadas excessivas e a presença de uma armadura no túmulo, os autores do estudo concluíram que a segunda tumba, na verdade, pertence à "mulher guerreira" Adea Eurídice, esposa do meio-irmão de Alexandre, o rei Arrhidaeus. Por fim, os autores do estudo não encontraram razões para questionar a suposição de longa data de que o terceiro túmulo contém os restos mortais de Alexandre IV, o filho adolescente de Alexandre, o Grande. 


Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.