Pesquisadores conseguem extrair a seda de aranhas-marrom
10
Compartilhamentos

Pesquisadores conseguem extrair a seda de aranhas-marrom

Último Vídeo

Há anos, cientistas e pesquisadores enxergaram a seda de aranhas como um material de grande valor para a indústria como um todo. Você talvez ache que isso é um tanto quanto ridículo, mas o que nem todo mundo sabe é que as “teias” desses aracnídeos podem ser utilizadas de diferentes maneiras, criando roupas e outros produtos que sejam confortáveis e seguros.

Isso acontece pelo simples fato de que a seda de aranhas é cinco vezes mais resistente do que o metal e três vezes mais resistente do que o kevlar — e não é necessário utilizar muitas camadas do material para que isso aconteça. Sendo assim, seria possível criar vestes à prova de balas e até mesmo aparelhos eletrônicos muito resistentes e leves.

Fonte da imagem: Reprodução/Gizmodo

Problema que começa a ser contornado

Contudo, “ordenhar” aranhas para extrair a seda em grande quantidade é algo realmente complicado — pelo menos era até algum tempo atrás. A novidade sobre este assunto é o fato de pesquisadores do Grupo da Seda da Universidade de Oxford estarem conseguindo coletar o material criado por aranhas-marrom.

Isso é feito através de um mecanismo que vai puxando aos poucos a seda de dentro das aranhas, em um processo que não é muito rápido, mas que funciona. De acordo com o que foi divulgado por diferentes fontes internacionais, a estrela de Oxford é a aranha Rabbit, pois ela fornece o material mais confiável e na maior velocidade.

Além disso, testes foram feitos e os resultados apontaram que a seda da aranha-marrom é uma das melhores em relação às de outras espécies de aranhas, por ser mais forte e flexível do que a maioria e também por ficar plana — no lugar de ser uma massa redonda. Dessa maneira, pode ser que você comece a encontrar produtos feitos com seda de aranhas-marrom em lojas e pela internet em um futuro próximo. E aí, você compraria?

Via Tecmundo

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.