Projeto do Google Earth celebra línguas indígenas ameaçadas de extinção

Um novo recurso do Google Earth promove 50 línguas ameaçadas de extinção. O projeto, que foi batizado de Celebrating Indigenous Languages, conta com áudios de pessoas do mundo inteiro falando nos seus idiomas nativos.

Para ouvi-los, basta acessar o Google Earth pelo navegador e selecionar um dos marcadores no mapa. A plataforma também dá informações básicas sobre os idiomas e informa o nível de ameaça de cada uma.

Rahamatu Sali, de Camarões, recita o seu provérbio favorito em Fulfulde; Bivuti Chakma, de Bangladesh, ensina como dizer “mãe” em Chakma; e Aluki Kotierk, do Canadá, canta uma canção tradicional em Inuktitut.

A voz do Brasil

Foto: Google Earth/Reprodução

O único exemplo de idioma do Brasil vem do coração da floresta amazônica. Trata-se do Sanöma, que é uma das seis línguas da família ianomâmi e é falado por cerca de 6 mil pessoas.

A voz que ouvimos pertence a Otimisoma Sanöma, que faz parte da Aldeia Kolulu, no estado de Roraima. No primeiro áudio, ela cumprimenta: “Wa nako naso ke, wa topa kule”. Em tradução livre: “Bom dia. Você está bem?”.

Depois, ela conta qual é a sua língua materna (“Sanöma tä kai kina sa hapalo kule”) e compartilha uma canção que o seu povo canta para os animais da floresta durante celebrações tradicionais.

Uma ameaça real

No entanto, as línguas que compõem o projeto são apenas uma pequena fração de todas as que estão ameaçadas de extinção. Segundo a Unesco, metade dos idiomas que existem no mundo hoje devem desaparecer até o final deste século.

A maioria dessas línguas é falada por populações indígenas cujo número de membros diminui a cada geração. Dos 7 mil idiomas falados atualmente, cerca de 4 mil estão limitados a essas pequenas comunidades.

Existem vários esforços para preservar o desaparecimento de línguas no mundo. Nesse contexto, compartilhá-los com uma ampla audiência online é uma estratégia para aumentar a conscientização sobre o assunto.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.