Seja o primeiro a compartilhar

Tômiris: a rainha guerreira persa que decapitou Ciro, o Grande

No século IV a.C., uma dramática história de vingança, envolvendo duas das figuras mais emblemáticas do leste europeu, decretou um destino nada agradável ao império persa. Os antagonistas Ciro, o Grande, e Tômiris, a rainha dos masságetas, se enfrentaram em um verdadeiro banho de sangue em uma épica disputa de expansão territorial.

Localizado ao norte da Pérsia e a leste do Mar Cáspio, o reino dos masságetas era constituído essencialmente por guerreiros com hábitos nômades. Nele, mulheres tinham ampla participação no povo reconhecido por seus grandes feitos e estabilidade, apesar de não fazer frente ao império persa, que se estendia por todo o Mediterrâneo e tinha pretensões de continuar sua política expansionista.

Ciro, o Grande, na época o líder da Pérsia, optou pela diplomacia e fez uma oferta para Tômiris, governante dos masságetas após a morte de seu marido, tornar-se sua esposa. Porém, sua tentativa de dominar as terras ao norte de forma pacífica foi prontamente recusada, já que a guerreira não dobrou seus joelhos e sugeriu que o imperador tomasse conta apenas de seu território, despertando a fúria do supremacista.

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Pouco tempo depois, o exército de Ciro tomou conta da fronteira dos nômades, surgindo como uma ameaça para Tômires, que exigiu a saída imediata das tropas caso seu rival não quisesse sofrer uma resposta brutal em até três dias. Foi então que, após a conclusão do período, os persas fingiram recuar e levaram seus inimigos para uma armadilha, abandonando seu acampamento e deixando litros de vinho para os masságetas desfrutarem.

Bêbados e cansados, os soldados de Tômires foram capturados, incluindo Spargapises, filho legítimo e herdeiro da rainha. Envergonhado por ter sido atacado por Ciro, o jovem pediu permissão para cometer suicídio e recebeu autorização do imperador, encerrando sua vida antes que a mãe pudesse ter notícias. Enfurecida, a guerreira acusou Ciro de covardia e jurou que mataria o homem, levando-o para um banho de sangue em que apenas um dos lados se consagraria.

A vingança de Tômires

Tômires ordenou que Ciro devolvesse o corpo de seu filho, mas foi ignorada pelo imperador. Com isso, a rainha levantou seu exército e deu início a uma guerra contra a Pérsia, protagonizando o conflito mais feroz entre não-gregos, de acordo com Heródoto.

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Subestimando os masságetas pela inferioridade numérica, Ciro viu uma implacável Tômires buscar justiça com suas próprias mãos, atravessando o campo de batalha como uma deusa. Nada ali poderia impedi-la de cumprir sua promessa, e era apenas questão de tempo para que o corpo do líder persa fosse encontrado em meio aos mortos e trazido para sua algoz.

“Eu vivo e conquistei você na luta”, declarou Tômiris, “e ainda assim por você estou arruinada, pois você levou meu filho com astúcia. Assim, eu cumpro minha ameaça e te dou o seu sangue.” Segundo relatos, o feito foi a última grande ação da rainha como líder dos masságetas, e pouco se sabe sobre o golpe de misericórdia ou os anos que se sucederam durante seu governo. Hoje, a decapitação estampa um dos momentos mais ferozes da Idade Antiga e exibe a importante participação de uma mulher no destino da Europa.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.