Motorista australiano luta contra cobra venenosa a 100 km/h

Motorista australiano luta contra cobra venenosa a 100 km/h

Último Vídeo

A CNN divulgou na manhã da terça-feira (7) uma notícia impressionante: um australiano de 27 anos lutou contra uma cobra venenosa enquanto dirigia a 100 quilômetros por hora. 

Segundo os relatos e o vídeo, publicado na página oficial da Queensland Police Service, no Facebook, o motorista Jimmy notou a presença do réptil quando conduzia seu carro pela Dawson Highway, no estado de Queensland no nordeste da Austrália. Era uma cobra marrom, considerada a segunda serpente mais venenosa do mundo.

No vídeo, Jimmy conta como aconteceu o encontro: "Quanto mais eu movia minhas pernas... ela começava a me envolver. Sua cabeça começou a bater no banco [do motorista], entre as minhas pernas". Ele disse que usou o cinto de segurança e uma faca para se proteger enquanto tentava parar o carro.

Após conseguir matar a cobra, mas pensando ter sido picado por ela, Jimmy decidiu ir para um hospital. Se tivesse sido picado, o motorista não conseguiria chegar a lugar algum, pois o veneno desse tipo de ofídio causa paralisia, sangramento no cérebro e mata a vítima em poucas horas.

Pode sentir meu coração

Dirigindo em alta velocidade para salvar a vida, o motorista foi abordado pela polícia de Queensland a mais de 120 quilômetros por hora. Visivelmente perturbado, Jimmy explica ao policial: "Uma cobra marrom ou uma cobra-tigre está na parte de trás do caminhão, acho que ela me mordeu, estava no carro comigo".

"Você pode sentir meu coração, companheiro" -- continuou Jimmy, enquanto os policiais acionavam os paramédicos que, chegando logo depois, concluíram que o homem não havia sido picado pela cobra, mas se encontrava em estado de choque.

Enquanto o deixavam aos cuidados da equipe médica, os policiais ouviram Jimmy falando: "Cara, não vou mentir. Foi muito assustador, nunca fiquei tão feliz em ver luzes vermelhas e azuis" (da viatura da polícia).

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.