(Fonte da imagem: Thinkstock)

Até o surgimento da Teoria da Relatividade, acreditava-se que o tempo — a passagem dos segundos, minutos, horas etc. — fluía de maneira constante, indo do passado até o futuro infinito a uma velocidade fixa. Assim, para poder medir a sua passagem, foram criados mecanismos de ciclos regulares e repetitivos, como os relógios solares, de areia, de água, digitais, entre outros.

Contudo, Einstein propôs que o tempo, pelo contrário, não é constante e nem transcorre sempre na mesma velocidade, sendo elástico e passando mais depressa dependendo do ponto no Universo em que ele é medido. Assim, de acordo com a quantidade de matéria presente em determinados locais e sua força da gravidade, o tempo passa mais ou menos depressa.

O problema é que nos pontos nos quais as dimensões da matéria são muito pequenas — ou atômicas, como estuda a teoria quântica — a teoria de Einstein, quando aplicada, falha totalmente.

Relógio termal

(Fonte da imagem: Thinkstock)

Assim, de acordo com uma notícia publicada pelo site FQXi, o físico australiano Gerard Milburn propõe uma nova forma de determinar o tempo, através de um relógio que marque as variações de temperatura — o que talvez também permitiria criar uma teoria da “gravidade quântica”, combinando a teoria de Einstein com as teorias quânticas, ou seja, unido a escala cósmica à atômica.

Milburn sugere medir o tempo de uma forma mais precisa através da radiação térmica, para a qual seria necessário desenvolver uma teoria que pudesse ser aplicada a ambas as escalas — a do macrocosmos e a do microcosmos. Segundo o físico, a melhor maneira de fazer isso seria através das leis da termodinâmica.

O cientista propõe utilizar algum método que permita medir as transformações de energia de um conjunto relativamente grande de matéria, isolado de qualquer influência externa para evitar que a energia interna sofra interferências. Parte dessa energia se apresenta na forma de calor e, mesmo que tenha algumas variações em algumas regiões, é possível obter uma média constante, medida através de técnicas estatísticas.

Apenas teorias

(Fonte da imagem: Thinkstock)

Assim, conforme explicou o físico, ele espera chegar a uma teoria semelhante à Teoria da Relatividade, mas que funcione em todas as escalas, permitindo que se obtenha algo como um espaço-tempo térmico.

Como isso será feito ainda não está muito claro e, se Milburn conseguir provar experimentalmente a sua teoria, ainda assim terá que convencer todos a adotar o seu novo sistema de medir o tempo. E isso não é tudo: o físico teria que nos ensinar a ver o tempo de uma maneira completamente nova!

Fontes: Universidade de Nova Gales do Sul, All About Science, DUMMIES.com e FQXi