(Fonte da imagem: Thinkstock)

De acordo com o The Telegraph, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Liverpool, na Inglaterra, revelou que a leitura de livros de literatura clássica pode nos ajudar a turbinar o cérebro, além de ser mais útil como “terapia” do que os títulos de autoajuda.

Segundo a publicação, os pesquisadores monitoraram a atividade cerebral de 30 pessoas, que primeiro leram passagens extraídas de alguns clássicos da literatura inglesa — a maioria escrita por Shakespeare, T.S. Elliot e W. Wordsworth —, e que depois leram os mesmos trechos reescritos em uma linguagem mais coloquial.

Cérebro turbinado e bem resolvido

Os pesquisadores observaram que, quando os participantes se deparavam com palavras incomuns e frases mais complexas, a atividade cerebral desses indivíduos aumentava significativamente, ao contrário do que foi observado quando essas pessoas liam os textos traduzidos para uma linguagem mais simplificada.

O melhor é que esse efeito parece permanecer durante algum tempo, fazendo com que a atenção também seja turbinada. E mais: os pesquisadores também descobriram que, quando lemos poesia, o lado direito do cérebro — relacionado com a criatividade e lembranças autobiográficas —, se torna mais ativo.

Conforme explicaram, essa atividade “extra” pode nos ajudar a refletir e analisar experiências pessoais a partir de outro ponto de vista. Em outras palavras: ao trazer descrições detalhadas de experiências vividas por personagens fictícios, a poesia acaba por acrescentar elementos emocionais e biográficos às nossas próprias experiências.