5 lugares lendários que ninguém sabe ao certo se existiram de verdade
890
Compartilhamentos

5 lugares lendários que ninguém sabe ao certo se existiram de verdade

Último Vídeo

1 – A Cidade de El Dorado

Caso você não esteja muito familiarizado com o mito de El Dorado, trata-se de uma suposta lenda contada pelos nativos aqui da América do Sul a respeito de uma cidade de ouro que teria existido entre as selvas do nosso continente. A história sobre esse paraíso dourado se tornou tão conhecida que inúmeros exploradores gananciosos chegaram a tentar encontrá-lo — e a DreamWorks até fez um filme sobre ele.

Muita gente gananciosa chegou a procurar pela cidade de ouro

Acontece que a lenda, na verdade, não se referia a uma cidade feita de ouro, mas sim de um governante que era tão rico que, todos os dias pela manhã, costumava cobrir o corpo com pó de ouro — para, à noite, remover tudo com um belo banho em águas sagradas.

E o pior é que, de acordo com os arqueólogos, originalmente, o mito se inspirou em um antigo ritual do povo Muisca, nativo da atual Colômbia, que aplicava pó de ouro nos corpos nus dos governantes para as cerimônias de coroação. Entretanto, apesar de o costume ser um tanto quanto extravagante, o “desperdício” certamente não acontecia todos os dias!

 2 – O Jardim do Éden

Você, com certeza, já ouviu falar a respeito do mitológico Jardim do Éden, não é mesmo? Palco de uma das passagens mais conhecidas do Velho Testamento — aquela na qual Adão e Eva desobedecem à ordem de Deus e se alimentam do fruto proibido —, muitos fiéis acreditam que esse local realmente existiu no passado em algum lugar do planeta, possivelmente em algum ponto do Oriente Médio.

Discussão polêmica...

Entretanto, vale destacar que o Velho Testamento não é um livro exclusivamente cristão e, no judaísmo, por exemplo, o Jardim do Éden nunca foi entendido como um local real, mas sim como um estado de espírito. Deixe a gente explicar melhor...

Para os judeus, quando o homem foi criado, ele se encontrava em um estado de perfeita harmonia. Pois o pecado rompeu esse estado e, consequentemente, mudou a visão da humanidade sobre o mundo — que passou a ser compreendido como um local onde as pessoas se encontram sozinhas e devem lutar pela própria sobrevivência. 

Assim, com os anos, muitos estudiosos do cristianismo passaram a adotar o mesmo entendimento que o judaísmo a respeito do Jardim do Éden, concordando que ele não representa um lugar físico.

3 – A Torre de Babel

De acordo com o Velho Testamento, a Torre de Babel foi construída pelos descendentes de Noé depois do Grande Dilúvio. Mais precisamente, ela teria sido edificada no Oriente antes do surgimento dos diversos idiomas que existem no mundo, por um grupo de pessoas que acabaram focando demais nelas mesmas e se esquecendo de Deus.

Segundo a lenda, esses indivíduos teriam decidido construir uma torre que chegasse até os céus. No entanto, quando estavam no meio do caminho, o Todo Poderoso resolver agir — e confundiu todos com novos idiomas para que eles não se entendessem mais e não pusessem seguir com sua empreitada. O plano de Deus deu certo (evidentemente!), e os construtores acabaram se espalhando pelo mundo e abandonando a construção.

Seria a Torre de Babel uma referência ao Zigurate de Ur?

Como você pode imaginar, assim como existem pessoas que acreditam que a história sobre a Torre de Babel não passa de uma fábula, há quem tenha certeza absoluta de que ela aconteceu de verdade — e provar quem está com a razão nesse debate não é uma tarefa simples.

Apesar de não haver provas concretas de que a história descrita na Bíblia realmente aconteceu, evidências apontam que uma torre imensa — conhecida como Zigurate de Ur — existiu no Império Babilônio enquanto os hebreus eram mantidos como escravos por lá e, coincidentemente, o edifício se encontrava inacabado.

Sendo assim, alguns historiadores acreditam que os historiadores judeus da época se inspiraram na grande torre babilônia incompleta para escrever diversas fábulas com o objetivo de transmitir ensinamentos importantes ao povo hebreu.

4 – Atlantis

Quem nunca ouviu falar a respeito da lendária cidade de Atlantis? Basicamente, ela se refere a uma cidade próspera e tecnologicamente avançada que teria sido engolida pelo oceano. Segundo algumas versões do mito, a população continuou vivendo em Atlantis após ela desaparecer sob as águas, e inclusive há quem diga que ela estaria situada no fundo do mar na região que corresponde ao Triângulo das Bermudas — e essa seria a causa da suposta atividade estranha na área.

Não foram encontradas quaisquer evidências concretas sobre sua existência

Até onde se sabe, o mito sobre Atlantis existe há milênios, e uma das primeiras referências a um lugar semelhante a ela é de ninguém menos que Platão, o grande filósofo grego — que criou uma alegoria para falar a respeito de não se estar preparado para o perigo e da tristeza de se perder algo repentinamente.

Apesar da falta de evidências que provem que Atlantis propriamente dita era real, sabe-se que na época de Platão havia uma ilha relativamente desenvolvida localizada próximo ao local onde o filósofo vivia — e que desapareceu quase instantaneamente durante a erupção de um vulcão submerso. Portanto, pode ser que ele tenha se inspirado nessa catástrofe para criar sua alegoria.

5 – A Cidade de Troia

Quem popularizou a cidade de Troia — e as fabulosas batalhas que supostamente aconteceram por lá — foi Homero, com suas obras “Ilíada” e “Odisseia”, e muita gente acredita que a saga que o poeta grego descreveu pode ter acontecido de verdade, em um local real. Entretanto, a veracidade da saga envolvendo a bela Helena, o Príncipe Paris, Menelau e Aquiles divide os historiadores, e muitos pensam que tudo não passa de uma lenda.

Ficção x realidade

Isso porque Homero provavelmente escreveu o épico por volta do século 8 ou 9 a.C., ou seja, várias centenas de anos depois que a guerra supostamente aconteceu, e não há evidências de que Aquiles e até mesmo Helena tenham existido. Além disso, parte do trabalho original do poeta desapareceu, o que dificulta bastante a tarefa de estabelecer o que é verdade e o que é ficção.

Como se fosse pouco, até o século 19, os historiadores sequer tinham certeza de que a cidade de Troia era um local real. Afinal, foi só em 1870 que o alemão Heinrich Schliemann encontrou possíveis evidências de sua existência em um sítio arqueológico — que continha nove cidades construídas, umas sobre as outras! — no noroeste da Turquia.

Ao que tudo indica — e considerando que uma dessas cidades realmente seja Troia —, os épicos de Homero trazem elementos de várias guerras que aconteceram na região ao longo da História. Sendo assim, pode ser que o poeta tenha se inspirado em mais de uma batalha que aconteceu em mais de uma cidade situada no mesmo lugar! O problema é que, com as provas das quais os pesquisadores dispõem atualmente, é impossível diferenciar o que é mito e o que é realidade.

*Publicado em 30/9/2016

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.