Novo método pode criar exame de detecção universal de câncer
23
Compartilhamentos

Novo método pode criar exame de detecção universal de câncer

Último Vídeo

Detectar um tipo de câncer em sua fase inicial de desenvolvimento é um dos métodos mais eficazes de combate à doença. E pesquisadores da universidade inglesa de Bradford já vislumbram as possibilidades que a evolução da tecnologia médica poderá prover a pacientes.

Após bombardear glóbulos brancos retirados de pessoas com câncer por meio de ondas UVA (raios ultravioleta capazes de produzir lesões até mesmo em moléculas de DNA), a equipe britânica notou um comportamento peculiar por parte dos leucócitos: quando expostas a raios UVA, as células brancas podem ser facilmente destruídas.

Este método de detecção de câncer é de fato promissor, mas, neste momento, apenas o pontapé inicial foi dado. Os estudiosos avaliaram o comportamento de células de 208 pacientes diferentes – 94 deles portam tipo algum da doença.

A resistência dos glóbulos brancos

Os pesquisadores realizaram os testes sanguíneos com pessoas que possuem três tipos de câncer (melanoma, câncer de cólon e de pulmão). Ao serem bombardeados por raios UVA, os leucócitos de pacientes portadores da doença foram facilmente destruídos. As células de pessoas em condições pré-cancerosas mostraram-se pouco resistentes e os glóbulos brancos de voluntários saudáveis não foram “tão suscetíveis” à enxurrada de UVA.

“Os glóbulos brancos fazem parte do sistema de defesa natural do corpo humano. Sabemos que eles são acionados no momento em que lutam contra doenças, como o câncer. Por isso gostaríamos de descobrir qualquer indicador mensurável [sobre o comportamento das células] para que pudéssemos avaliar os níveis de estresse dos leucócitos sob raios UVA”, diz Diana Anderson, pesquisadora responsável por liderar o projeto, em entrevista ao BBC.

Menos invasivo e mais preciso

A forma mais tradicional de se detectar um câncer é por meio de exames de biópsia – um pedaço de tecido é retirado da região que pode estar sofrendo com a doença. Além de invasiva, essa forma de análise não é em 100% dos casos precisa. Acontece que vários pacientes manifestam câncer sem mesmo apresentar sintomas típicos.

O bombardeamento de glóbulos brancos por raios UVA pode, desta forma, se constituir como um método pouco invasivo e mais preciso de detecção de câncer. Deve-se deixar claro, porém, que os estudos encontram-se ainda estado inicial; dados concretos serão publicados após a realização de mais testes. “Estes são resultados que levaram em conta três tipos diferentes de câncer e aceitamos o fato de que mais pesquisas devem ser feitas”, completa Diana. “Mas esta já é uma conquista notável”, observa a cientista.

Via TecMundo

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.