Dicas de viagem na Turquia, cenário da novela Salve Jorge

Dicas de viagem na Turquia, cenário da novela Salve Jorge

Equipe MegaCurioso

Uma das vistas da Capadócia. Crédito: Maria Luciana Tamanini

As fãs de novela já devem estar se acostumando com as paisagens da Turquia que têm aparecido na televisão. Um dos cenários da história de Salve Jorge, que é exibida na Rede Globo, a região chama a atenção não apenas pelas diferenças de cultura, mas também pelas belas paisagens que foram esculpidas pela natureza.

A boa notícia é que você não precisa conhecer Istambul e suas proximidades apenas pela telinha. Por ser uma opção incomum para as férias, o destino tem atrativos para uma viagem inesquecível e a preços acessíveis.

Uma das regiões mais interessantes de conhecer, principalmente por aquelas que se interessam por belezas naturais e um pouco de aventura, é a Capadócia, que fica a 700 quilômetros de Istambul e a 300 da capital, Ankara. Trata-se de um local turístico e histórico da Turquia, que é emoldurada pelo monte Erciyes, um vulcão extinto de quase quatro mil metros.

Devido às erupções antigas do monte, a região foi coberta por tufa, uma rocha extremamente porosa, que foi esculpida pelo vento e a chuva. Assim, os destaques são as formações rochosas que imitam formas de animais, cogumelos e outras mais estranhas.

Mas não foi apenas a natureza que deixou a sua marca na Capadócia. Antigas populações esculpiram igrejas e vilas inteiras embaixo da rocha, como no caso da cidade subterrânea Derinkuyu, que já abrigou aproximadamente 10 mil pessoas e não pode ficar de fora do roteiro.

Com a aparição na novela, a região deve ficar mais conhecida como destino turístico. E a viagem vale a pena, como conta a publicitária Maria Luciana Tamanini. Ela esteve na Turquia nas últimas semanas de outubro e gostou tanto da experiência que gostaria de voltar. O pacote de viagem incluía dois dias de passeios guiados e, além dos atrativos, ela destacou também a receptividade da população, que, segundo ela, é muito hospitaleira.

História da Capadócia

Formações rochosas não faltam na região. Crédito: Maria Luciana Tamanini

Para entender os atrativos da Capadócia, vale conhecer um pouco da sua história. A região central da Turquia foi povoada cerca de dois mil anos antes de Cristo e teve um papel importante na história das civilizações. Há séculos, ela era o endereço dos povos hititas, frígios, assírios, persas, medos e cimérios.

Alexandre, o Grande, voltou suas atenções ao local, que também foi província do Império Romano. Devido às disputas constantes, ele foi dominado também pelos impérios bizantino e otomano. Para os poderosos, era importante ter o controle dessa parte da Turquia por ela ser um ponto comum entre várias rotas comerciais.

As guerras, inclusive, tiveram um papel fundamental para que a região ganhasse os contornos que possui hoje. Para se proteger das invasões, os povos que ali habitavam construíram refúgios subterrâneos capazes de abrigar até três mil pessoas.

Não é à toa que se estima que existam mais de 150 cidades subterrâneas escavadas em um perímetro de 25 mil quilômetros quadrados. Mas esqueça a impressão de cavernas abafadas. As moradias eram conectadas umas às outras, havia túneis de ventilação e aberturas para comunicação entre os cidadãos, como explicou Luciana, que visitou as vilas abaixo do solo.

As cidades subterrâneas que costumam fazer parte dos roteiros turísticos são Derinkuyu, considerada a mais profunda, e Kaymali, que seria a mais larga.

Vale lembrar, no entanto, que o tempo e as civilizações esculpiram atrativos não apenas embaixo do solo. A vista aérea da região da Capadócia também é um espetáculo à parte, graças às curiosas formações rochosas.

Atrativos da Capadócia

Museu de Göreme

Paredes do Museu de Göreme. Crédito: Thinkstock

O Museu a Céu Aberto de Göreme não pode ficar de fora do roteiro de quem vai à Capadócia. Ele fica a apenas 1,5 quilômetro do centro da cidade e é patrimônio tombado pela Unesco, pois abriga pinturas sacras datadas dos séculos 9 ao 12. Algumas retratam inclusive São Jorge que, segundo a história, nasceu na região.

No período Bizantino, o museu abrigou monastérios, capelas, igrejas e conventos, todos cavados nas rochas entre os séculos 10, 11 e 12. Assim, ali é possível encontrar cerca de 30 igrejas bem preservadas, com abóbodas, altares e colunas que chamam a atenção pela precisão no projeto.

A decoração é rica em desenhos que retratam a vida de Cristo no teto e nas paredes. Porém, a visita ficará registrada apenas na mente dos visitantes. Como explica Luciana, não é permitido fotografar o interior do museu, pois a ação do flash poderia fazer com que as cores ficassem esmaecidas. Segundo ela, as tonalidades das pinturas ainda são muito preservadas, com tons intensos de vermelho, verde e amarelo.

Pinturas em uma das capelas do museu. Crédito: Thinkstock

A publicitária conta também que os homens e mulheres que habitavam o local viviam em partes separadas. Por isso, à esquerda, fica o convento, onde aproximadamente 300 freiras estavam confinadas. A moradia rochosa tinha quartos, capela, cozinha e sala de jantar.

Para unir os diferentes níveis, túneis e portas foram usados. Eles também serviam para proteger os religiosos do perigo das batalhas.

Passeio de balão

Não são apenas os atrativos esculpidos no interior das rochas que devem ser vistos. Outro principal atrativo da Capadócia é o passeio de balão que, segundo Luciana, é imperdível. Dele, é possível ver as formações rochosas da região lá do alto.

A publicitária explica que a viagem pelos ares da Turquia dura aproximadamente uma hora, mas é possível escolher alguns trajetos mais longos. Há várias empresas locais que oferecem o serviço. Elas buscam os turistas no hotel quando ainda está escuro, para que seja possível ver não apenas o relevo lá de cima, mas também o nascer do sol, que é um espetáculo à parte.

Que tal o nascer do sol visto de um balão? Crédito: Maria Luciana Tamanini

Segundo Luciana, há muitos balões no ar ao mesmo tempo, mas o passeio é muito organizado. Os responsáveis por dirigi-los se comunicam entre eles, para evitar que os caminhos se encontrem no ar, além de terem total controle sobre a trajetória.

A vista aérea permite conhecer de outra perspectiva as “chaminés de fada”. Trata-se de enormes formações nas rochas, onde os habitantes fizeram dentro delas suas casas, devido ao conforto térmico para as diferentes temperaturas que fazem na região.

Ao longo do voo, é possível ver também as formações de Devrent, que lembram animais, e deixar a imaginação fluir em Pasabaglari para adivinhar o que as diferentes esculturas podem representar. Algumas delas, inclusive, possuem 50 metros de altura, nas cores branca ou avermelhadas.

Vários balões dividem espaço no céu. Crédito: Maria Luciana Tamanini

Cidades subterrâneas

Após conhecer a Capadócia do alto, as cidades subterrâneas são destinos que não podem faltar no roteiro. Uma das principais é Derinkuyu, que fica há 40 quilômetros de Göreme e tem 85 metros de profundidade.

A publicitária Luciana Tamanini também esteve lá e conta que o local foi construído pelos hititas, com oito pavimentos abaixo do solo. Porém, não é preciso se preocupar em se sentir sufocado por causa da distância com a superfície. Segundo ela, há um grande canal de ventilação que torna o passeio confortável.

Assim como em Göreme, tudo foi esculpido na rocha: igrejas, mesas, canais de comunicação e até detalhes de organização, como os suportes para as velas, que garantiam a iluminação interna. “As vilas subterrâneas eram muito convenientes principalmente na época da guerra, onde todos se escondiam para ficar protegidos”, relata a publicitária.

A cidade subterrânea inclui também abrigos para animais, padarias, poços de água, refeitórios e quartos. Pedras rolantes estavam sempre a postos para trancar inimigos nos corredores estreitos.

As populações abaixo do solo chegavam a ser formadas por 20 mil pessoas. Além de Derinkuyu, é possível conhecer também Kaymakli (com nove andares, sendo quatro abertos ao público e cinco reservados para pesquisa arqueológica), Mazi e Özkonak.

A região da Capadócia. Crédito: Maria Luciana Tamanini

Segundo maior cânion do mundo

Quem gosta de esportes radicais poderá deixar as visitas subterrâneas um pouco de lado para desfrutar um passeio no segundo maior cânion do mundo, o Vale de Ihlara. Luciana conta que ali é possível fazer escaladas, mas há opções mais acessíveis também. Ela escolheu, por exemplo, fazer uma caminhada de quatro quilômetros para conhecer um pouco mais do atrativo.

Cenário de Star Wars

Os fãs da saga Star Wars que forem à Capadócia poderão ter acesso ao cenário usado por George Lucas para seus filmes. Afinal, foi em Selime que filmaram o primeiro longa da série.

O que comprar na região

Para aquelas que não abrem mão de um tempo para fazer compras, a Capadócia também tem boas opções. Luciana conta que é possível aproveitar o artesanato, com muitos itens feitos de barro, nas lojas locais. Há também opções surpreendentes da pedra turquesa, além de vinhos que são fabricados na região e especiarias.

Artesanato turco. Crédito: Maria Luciana Tamanini

Você pode conhecer ainda a fábrica de tapetes Avanos, onde os turistas acompanham o processo de produção das peças e podem adquirir uma delas. As apaixonadas por joias também encontrarão modelos sofisticados de anéis, pulseiras e colares com bom preço nesse destino turco.

Pacotes de viagem

Conhecer a Capadócia pode ser mais acessível do que você imagina. Além disso, com a aparição na novela, é provável que pacotes de turismo ainda mais atrativos surjam nos próximos meses.

Para passear pela região, a publicitária Luciana acertou todos os detalhes antes de pegar o avião. Depois de consultar notícias e críticas sobre a Turquia, ela procurou por várias agências de turismo até encontrar aquela que tinha as melhores indicações. Apesar de ter escolhido uma empresa estrangeira, todos os detalhes foram reservados por aqui.

Vista para a cidade. Crédito: Maria Luciana Tamanini

O pacote de viagem que ela optou incluía as passagens aéreas, transferências de cidade, hospedagem, o passeio de balão, acompanhamento de guia em todas as visitas, café da manhã e almoço. A publicitária passou dois dias na Capadócia e investiu 455 euros no pacote.

Os gastos sobressalentes foram com compras e no jantar, em que ela experimentou a pizza turca. O hotel incluso está localizado em Ürgüp e ficava encostado na rocha. Segundo Luciana, as acomodações eram confortáveis e tinham varanda privativa para curtir a paisagem.

Ela ressalta, no entanto, que para conhecer a Capadócia o ideal é escolher um roteiro com três dias de viagem. Além disso, é importante ficar atento às tarifas aéreas, que são as que mais alteram o valor do pacote, pois, em datas próximas aos feriados turcos, costumam ter um aumento significativo de preço.

Balões ao amanhecer. Crédito: Maria Luciana Tamanini

Uma opção prática para os brasileiros são os pacotes oferecidos pelas agências nacionais. Na CVC, por exemplo, é possível optar por uma viagem de seis noites (divididas entre Istambul e Capadócia), com hospedagem de luxo nas duas cidades, traslados, excursões com guia espanhol, transporte aéreo entre Istambul e Capadócia e oito refeições inclusas por 828 euros para apartamentos duplos.

Apenas os valores dos voos entre Brasil e Turquia não estão inclusos. Assim, segundo a cotação feita com uma agência de Curitiba na primeira quinzena de novembro, o pacote para dois adultos custaria 4.520 reais, aproximadamente.

Para quem não faz questão de tanta sofisticação, a dica é fazer como a Luciana e procurar o pacote de viagem que mais se encaixa às suas necessidades. Assim, você não vai ver a Turquia apenas pela televisão, durante a novela Salve Jorge.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.