Shot de imunidade não combate o coronavírus

Shot de imunidade não combate o coronavírus

Último Vídeo

Na busca por meios que possam curar ou amenizar os sintomas do coronavírus, veículos de comunicação e criadores de conteúdo estão divulgando, através de suas páginas, receitas caseiras prometendo ser a solução para fortalecer o sistema imunológico, impedir o crescimento e a reprodução de bactérias danosas ao corpo, e prevenir através de antivirais.

Sensacionalistas ou bem intencionados, os divulgadores dos conhecidos "shots de imunidade", receitas naturais e rápidas, aproveitam a crise sistêmica onde vários estão desesperados para se cuidar e evitar o contágio, a fim de ganhar popularidade e, futuramente, credibilidade, porém sem saber que os alimentos podem ser extremamente danosos ou, simplesmente, ineficazes contra a proliferação do vírus.

"Tentar melhorar a imunidade não é ruim, pelo contrário, é sempre uma boa medida para a saúde, mas o shot de imunidade não resolve o problema a curto prazo. A imunidade é algo conquistado a longo prazo com comida de verdade, consumo de legumes, verduras, frutas, fibras e muita água, e a prática de exercícios físicos regulares", afirmou a nutricionista Priscila Serpa para o Mega Curioso.

A crescente onda de fake news nas redes sociais sugere desde a utilização de própolis em um "shot de imunidade" contendo um mix de cravo-da-índia, canela e outras substâncias, até outras especiarias como cúrcuma, gengibre e brócolis, misturadas em um coquetel potente que promete, segundo as propagandas, ativar o sistema imunológico. Porém, muitas dessas substâncias não garantem, comprovadamente, defesa alguma contra o Covid-19, podendo chegar a causar complicações especialmente em pessoas com históricos médicos.

"Não há nenhuma mistura milagrosa que faça nossa imunidade aumentar do dia para noite. É essencial que esses cuidados sejam feitos, ainda mais diante desta pandemia, mas não acredite em todos esses shots de imunidades que você encontra na internet, siga sempre a orientação de um profissional da saúde que seja apto, como médicos e nutricionistas", concluiu a profissional.

(Fonte: Super Clube Fit/Reprodução)(Fonte: Super Clube Fit/Reprodução)

Alguns sites estão também comentando sobre a ação de probióticos, substâncias encontradas em iogurtes, kefir e kombuchas, que têm função na melhora do sistema imunológico do organismo, mas não há qualquer tipo de estudo comentando sobre seus efeitos no combate ao Covid-19

"Se consumido em excesso, ele pode trazer grandes problemas", esclareceu o infectologista Paulo Olzon, da Unifesp, para o portal UOL quando questionado sobre o potencial anti-inflamatório do própolis, que não age diretamente contra a doença e pode causar sérios sintomas gastrointestinais, se não utilizado com equilíbrio, especialmente, com a ajuda de um nutricionista.

Atualmente, não há nenhuma vacina, medicamento ou qualquer outro tipo de substância que possa vir a combater o coronavírus, segundo observação do Ministério da Saúde. É necessário ter bastante cuidado com o que se lê em internet, principalmente quando não há qualquer tipo de confirmação científica sobre seu efeito, especialmente quando o agressor é o coronavírus, uma doença relativamente nova que vem afetando a nação brasileira e mundial em escalas avassaladoras.

Muito cuidado com a expressão "toda ajuda é bem-vinda" que diversas páginas estão divulgando. Tratando-se de saúde, é essencial saber o que entra no nosso organismo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.