Estudo diz que a chamada civilização industrial pode entrar em colapso
270
Compartilhamentos

Estudo diz que a chamada civilização industrial pode entrar em colapso

Último Vídeo

Um novo estudo, patrocinado pelo Goddard Space Flight Center, da NASA, destacou a perspectiva de que a civilização industrial global pode entrar em colapso nas próximas décadas, devido à exploração insustentável de recursos e distribuição de riquezas cada vez mais desigual.

Notando que os avisos de "colapso" são muitas vezes vistos como controversos, o estudo tenta dar sentido a dados históricos interessantes que mostram que o processo de ascensão e colapso é realmente um ciclo recorrente encontrado ao longo da história do mundo. Segundo informações do estudo, “os casos de interrupção civilizacional grave devido ao colapso vertiginoso têm sido bastante comum”.

O projeto de pesquisa é baseado em um modelo novo e interdisciplinar chamado "Ser humano e natureza dinâmica", liderado pelo matemático aplicado Safa Motesharrei, do National Science Foundation e National Socio-environmental Synthesis Center, em associação com uma equipe de recursos naturais e cientistas sociais dos Estados Unidos.

Recursos

O relatório propõe que, de acordo com os registros históricos, as civilizações (mesmo avançadas e complexas) são suscetíveis a entrar em colapso, levantando questões sobre a sustentabilidade da civilização moderna:

"A queda do Império Romano e os igualmente (se não mais) avançados Impérios e Dinastias Han, Maurya e Gupta, assim como tantos mesopotâmicos, são testemunho do fato de que as civilizações avançadas, sofisticadas, complexas e criativas podem ser frágeis e inconstantes".

Ao investigar a dinâmica homem/natureza desses casos ​​de colapso no passado, o projeto identifica os fatores inter-relacionados mais relevantes que explicam o declínio civilizacional e que podem ajudar a determinar o risco de colapso de hoje, como população, clima, água, agricultura e energia.

De acordo com a pesquisa, esses fatores podem levar a colapso quando eles convergem para gerar duas características sociais cruciais: o alongamento de recursos devido à tensão colocada sobre a capacidade de carga ecológica e a estratificação econômica da sociedade em elites de [ricos] e massas [pobres]. "Estes fenômenos sociais têm desempenhado um papel central no caráter ou no processo do colapso nos últimos cinco mil anos”, diz o estudo.

Fonte da imagem: Shutterstock

Atualmente, altos níveis de estratificação econômica estão ligados diretamente ao consumo excessivo de recursos. O estudo desafia aqueles que argumentam que a tecnologia vai resolver esses desafios, aumentando a eficiência:

"A mudança tecnológica pode aumentar a eficiência da utilização de recursos, mas também tende a aumentar tanto o consumo de recursos per capita como a escala de extração de deles, de modo que, os efeitos políticos ausentes e os aumentos no consumo, muitas vezes compensem o aumento da eficiência do uso dos mesmos".

Cenários

Avaliando uma gama de diferentes cenários, Motesharri e seus colegas concluíram que, de acordo com as condições que refletem de perto a realidade do mundo de hoje, eles acreditam que o colapso é inevitável. Um desses cenários é a própria civilização:

"Parece estar em um caminho sustentável por muito tempo, mas, mesmo usando uma taxa de esgotamento ideal e começando com um número muito pequeno de elites, elas, eventualmente, consomem muito, resultando em uma escassez nas massas que, eventualmente, provoca o colapso da sociedade. É importante notar que este tipo de colapso é devido a uma escassez induzida por desigualdade em vez de um colapso da natureza".

O estudo adverte que enquanto alguns membros da sociedade podem soar o alarme de que o sistema está se movendo em direção a um colapso iminente e, portanto, defendem mudanças estruturais para a sociedade e (a fim de evitá-lo), as elites e aqueles que as apoiam se opõem a fazer essas alterações.

Fonte da imagem: Shutterstock

No entanto, os cientistas apontam que os piores cenários não são totalmente inevitáveis, e sugerem que a política apropriada e as mudanças estruturais podem evitar o colapso, se o caminho não se abrir em direção a uma civilização mais estável.

As duas soluções são fundamentais para reduzir a desigualdade econômica, de modo a garantir uma distribuição mais justa dos recursos e para reduzir drasticamente o consumo de destes, baseando-se em meios renováveis ​​menos intensivos. Os cientistas também incluem nessas soluções a redução do crescimento da população.

Embora o estudo seja em grande parte teórico, uma série de outros estudos mais empiricamente focados têm alertado que a convergência de alimentos, água e crises de energia poderia criar uma "tempestade perfeita" dentro de cerca de 15 anos . 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.