Mamãe querida: conheça as 9 melhores matronas do reino animal
83
Compartilhamentos

Mamãe querida: conheça as 9 melhores matronas do reino animal

Último Vídeo

Poucas coisas costumam ser mais valiosas do que o amor de uma mãe e, embora uma data como o Dia das Mães nos ajude a lembrar de ser gratos por isso, essa é uma realidade que vale para todo o ano. E isso não é verdade apenas para os seres humanos, já que não faltam exemplos de mamães animais que poderiam servir de verdadeiros exemplos para algumas pessoas.

A seguir, confira algumas das criaturas com os melhores instintos maternos da natureza, capazes cuidar de seus filhotes de formas que vão desde fornecer alimentação especial e ensinar truques de sobrevivência até a automutilação para salvar a vida da sua prole.

9 – Coalas

Como essa espécie se alimenta exclusivamente de venenosas folhas de eucalipto, as fêmeas são essenciais para que os filhotes consigam sobreviver às primeiras refeições. O trato intestinal dos coalas adultos contém bactérias capazes de desintoxicar as plantas, mas o dos bebês recém-nascidos não. Para contornar a situação, as mamães primeiro alimentam seus filhos com a próprias fezes, transferindo os microrganismos protetores para suas crias.

8 – Jacarés

As mães-jacaré preparam ninhos especiais feitos de vegetais em decomposição para garantir que seus ovos permanecerão aquecidos o tempo todo. Quando os pequenos répteis nascem, elas então passam a carregá-los dentro de sua mandíbula por precaução e os acompanha até o corpo-d’água mais próximo, onde passarão seus primeiros anos comendo pequenos peixes, insetos, lesmas e crustáceos – nada de papinhas processadas.

7 – Elefantas

Essas mamães peso-pesado já poderiam garantir seu lugar na lista somente pelo fato de carregarem dentro de si por 22 meses os bebês mais pesados dentre os animais terrestres, com uma média de 90kg. Quando os filhotes nascem, eles inicialmente são cegos e dependem da orientação da mãe para fazer tudo – e das outras fêmeas da manada, que também ajudam o pequeno de todas as formas possíveis.

6 – Chita

Se você acha que é preciso ter paciência para criar um filho, então saiba que não tem muito do que reclamar. As fêmeas dessa espécie de felino poder dar cria a até seis filhotes por ninhada, mas todos eles nascem sem qualquer instinto de sobrevivência, cabendo à mãe passar dois anos ensinando os pequenos a caçar e a evitar predadores. Depois, a matriarca deixa o bando para criar uma nova família.

5 – Pinguins imperiais

Depois do longo processo de reprodução, a mamãe pinguim imperial deixa o ovo aos cuidados o pai para partir em uma jornada de 119 km para conseguir os peixes que servirão de primeiro alimento para o filhote. Ao retornar, elas ainda precisam encontrar seu parceiro e cria em meio a uma multidão, para só então assumir os cuidados do pequeno e permitir que o macho vá caçar.

4 – Ursas polares

Quando elas ficam prenhas, as ursas polares precisam correr contra o tempo para engordar cerca de 181 kg, caso contrário seu corpo acaba reabsorvendo o feto. Depois de passar pela engorda, ela cava uma gruta de maternidade e entra em um estado similar à hibernação, ficando dois meses sem comer e dormindo até mesmo durante o parto. Quando nascem, os filhotes são cegos e sem dentes, ficando aos cuidados das mamães por dois anos.

3 – Elefantas-marinhas

Pesando naturalmente cerca de 770 kg, as mamães dessa espécie também se esforçam para ganhar peso todos os dias durante sua gestação de 11 meses. O motivo para essa engorda é que, quando seus filhotes nascerem, elas passam a se alimentar bem menos enquanto dão de mamar e cuidam de seus filhotes, perdendo aproximadamente 272 kg em menos de um mês.

2 – Polvos

Na hora de botar seus ovos, a mamães-polvo costumam depositar mais de 50 mil “contêineres” com filhotes, que ela precisa proteger de predadores em tempo integral. Além disso, ela constantemente sobra rajadas de água na direção dos bebês para fornecer mais oxigênio a eles. Essa vigilância impede que ela consiga caçar para se alimentar, então as fêmeas são forçadas a comer alguns de seus próprios tentáculos para sobreviver.

1 – Orangotangos

As fêmeas dessa inteligente espécie passam a quase a vida toda sobre as árvores, criando um novo ninho de galhos e folhas todas as noites. Enquanto isso, elas jamais soltam seus filhotes e cuidam deles ininterruptamente até que cheguem aos 6 ou 7 anos de idade. Os machinhos costumam abandonar as mães mais rapidamente, mas as “meninas” ficam mais algum tempo para aprender a cuidar de suas próprias crias.

*Publicado originalmente em 08/05/2015.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.