Listamos 3 coisas que não são tão ‘ecologicamente corretas’ quanto se diz
110
Compartilhamentos

Listamos 3 coisas que não são tão ‘ecologicamente corretas’ quanto se diz

Último Vídeo

O meio ambiente é, cada vez mais, uma preocupação da população mundial. As pessoas, os governantes e algumas instituições estão em alerta para tentar diminuir os danos ao nosso planeta, enquanto, em contrapartida, outros sequer parecem se importar com os possíveis problemas causados ao mundo.

Aí você lê isso e pensa: “Ah, esse com certeza não sou eu, porque estou fazendo a minha parte…”. Mas será que está mesmo? O que você tem feito para melhorar a vida no planeta e a qualidade do ambiente que nos cerca?

Bem, aqui no Mega Curioso, nós já apresentamos algumas matérias que mostram o quanto o homem ou alguns agentes poluidores podem ser prejudiciais aos ecossistemas do nosso planeta. Você pode conferir a lista com 8 motivos para os animais estarem decepcionados com a raça humana ou a lista de 10 peixes que estão destruindo a Terra por nossa culpa, como exemplos de coisas ruins que o homem é capaz de causar ao mundo.

Voltando à pergunta do início do texto, o que você faz para preservar ou melhorar o meio ambiente? Será que está certo? Será o suficiente? Uma lista apresentada pelo site Cracked traz três situações que não são tão ecologicamente corretas quanto se pensa e que podem mudar o seu posicionamento em relação à preservação da natureza.

1. A palavra biodegradável não quer dizer nada

Ou melhor, quer dizer tudo. Como assim? Bem, tudo que você possui, o que compra, é tão biodegradável quanto uma casca de banana, ou quanto você mesmo. Isso porque tudo que está no ambiente um dia vai acabar se decompondo. A diferença clara é que alguns produtos se desintegram mais facilmente e em menor tempo, de acordo com as condições a que são submetidos. Portanto, não há grande diferença entre um produto com rótulo de biodegradável e outro sem, na medida em que ambos terão o mesmo destino.

Tudo bem, utilizar produtos que tenham uma decomposição mais rápida com certeza é melhor do que um que pode levar séculos, mas o problema está no fato de que não há regulamentações para essa rotulação. Ou seja, com o intuito de ajudar o meio ambiente, você pode optar por um item que possua uma embalagem “biodegradável”, porém não há uma garantia do quanto isso representa, já que pode levar um, dois, cinco, 20, 50, 100 anos ou mais, para se decompor. O plástico, por exemplo, é um produto que sempre levará muitos anos para se desfazer em condições normais de temperatura, não importando se ele tiver o rótulo de biodegradável ou não.

Isso mostra que, para fazer sua parte para melhorar o meio ambiente, não basta comprar embalagens “biodegradáveis” ou “ecologicamente corretas” e cruzar os braços satisfeito com a sua “ajuda” ao planeta. A conscientização vai de cada um, e é preciso se informar e trabalhar com mais dedicação, separando o lixo corretamente, reciclando e dando o destino certo aos produtos utilizados, entre várias outras condutas que podem ser adotadas.

2. Plantar árvores nem sempre faz “bem” ao ambiente

As árvores vão sempre nos proteger, e muito. Tanto que, quanto mais delas, mais proteção teremos, mas tudo o que é demais não é benéfico. E com as árvores não é diferente.

Bem, o papel bom das plantas e árvores é inegável, pois elas absorvem a energia solar, não a deixando ser refletida, o que aumentaria a temperatura da Terra. Além disso, elas devolvem para a atmosfera vapor oriundo da água que consomem, criando nuvens que bloqueiam a luz solar. Resumindo, as árvores nos protegem de tudo que o sol pode oferecer de ruim.

Entretanto, esse papel de proteção contra esse astro funciona de forma maravilhosa em lugares nos quais a luz e o calor solar incidem de maneira adequada ou mais elevada. Ou seja, quanto mais próximo dos polos da Terra, duas das três funções das árvores, que servem para nos proteger, acabam se tornando precárias. Em locais com menos incidência de sol, elas absorvem o dióxido de carbono, mas não enviam nada de oxigênio nem vapor para a atmosfera, logo o papel de manter a temperatura do planeta se inverte e elas passam a aquecê-lo.

Ao deixarem de liberar o oxigênio para repor o dióxido de carbono, elas acabam soltando outras substâncias químicas para se proteger do ataque de pragas, do calor, entre outras situações do ambiente. Esses químicos emitidos naturalmente, somados aos nocivos elementos liberados por carros e fábricas, podem resultar em substâncias bem desagradáveis.

É interessante mencionar que, segundo o site Cracked, as árvores são responsáveis por menos oxigênio do que se imagina, de modo que se todas fossem extintas da Terra ainda poderíamos respirar tranquilamente. É claro que elas possuem funções muito importantes, então isso não é um incentivo ao desmatamento, mas o que se propõe com essa visão é que sair plantando e replantando árvores pelo mundo para deixá-lo mais verde não necessariamente vai causar mudanças efetivas no clima.

3. A Hora do Planeta não tem utilidade nenhuma

Não passa de um ato simbólico. Apenas isso. Desligar todas luzes por 1 hora para combater a mudança climática, segundo o Cracked, é como “cortar a emissão de dióxido de carbono da China por 4 minutos”, ou seja, não significa nada para o grande problema climático. Essa questão envolve outro ponto importante que precisa ser verificado.

Céu escurecido e névoa pela poluição na China

O que as pessoas fazem ao apagar todas as luzes? Ficam 1 hora no escuro quietas? Provavelmente não, correto? Pois é, elas vão acender velas para realizarem as suas atividades normais, que envolvem desde a leitura de um livro até um jantar romântico. E, muitas vezes, são necessárias várias velas acesas, o que, em nenhum ponto, é mais benéfico ao planeta do que apagar as luzes.

Só para se ter uma ideia, uma vela de parafina comum emite cerca de 10 gramas de dióxido de carbono depois de uma hora acesa, enquanto, no mesmo tempo de atividade, uma lâmpada comum fluorescente libera cerca de 5 gramas. Desligar as luzes durante 1 hora é fácil, mas e se esse período for utilizado para debater sobre mudanças comportamentais e investimentos em tecnologias ecologicamente corretas? A parte fácil, se realizada junto com a difícil, certamente será mais produtiva.

Chineses usam máscara para suportar poluição durante realização dos Jogos olímpicos de Pequim, em 2008

Novamente, então, nos deparamos com um exemplo de atitude insuficiente para melhorar a preservação ambiental do planeta. Se você acha que apagar suas luzes durante 1 hora a cada ano é “estar fazendo a sua parte”, fica a dica para repensar essa situação e verificar formas melhores de se fazer isso.

E aí, quais são as suas principais atitudes para preservar o Meio Ambiente? Conte pra nós no Fórum do Mega Curioso

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.