Torá: descubra 19 fatos sobre o livro sagrado do judaísmo
244
Compartilhamentos

Torá: descubra 19 fatos sobre o livro sagrado do judaísmo

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Nós aqui do Mega Curioso recentemente publicamos uma porção de curiosidades relacionadas com a Bíblia e também a respeito do Alcorão, o livro sagrado do islamismo. Pois, nada mais justo do que compartilhar alguns fatos e informações sobre a Torá — que constitui a base central e o fundamento do judaísmo —, você não acha? Então, confira a lista a seguir:

1 – A palavra “Torá” — ou Torah — vem do hebraico e tem como significado “instrução”, “ensinamento” ou “apontamento”;

2 – A Torá constitui a base e o fundamento do judaísmo e corresponde aos cinco primeiros livros do Tanakh — conjunto de textos sagrados dividido em 24 livros que, juntos, seriam equivalentes à Bíblia Hebraica;

3 – Os cinco livros são conhecidos como “Cinco Livros de Moisés” — ou, em hebraico, como Chameesha Choomshey Torah — e são eles: o Bresheit (Gênesis), Shemot (Êxodo), Vayicra (Levítico), Bamidbar (Números) e Devarim (Deuteronômio);

4 – Os seguidores do judaísmo acreditam que Deus ditou a Torá a Moisés no Monte Sinai, 50 dias após o êxodo dos hebreus de sua vida de escravidão no Egito;

5 – Os seguidores dessa religião também acreditam que a Torá mostra como Deus quer que os judeus vivam suas vidas — e ela traz 613 mandamentos em seus textos sagrados;

6 – Os textos presentes nas Torás que são usadas nas sinagogas hoje em dia são exatamente iguais aos que se encontravam no livro sagrado original — contendo as instruções recebidas por Moises há cerca de 3,3 mil anos;

7 – Existem exatamente 304.805 letras — do hebraico — em uma Torá, e cada página que existe nela conta com 42 linhas;

8 – Não é qualquer pessoa que pode transcrever os textos da Torá! Apenas os sofer, isto é, escribas comprovadamente devotos e especialmente treinados para a tarefa, estão autorizados a redigir o livro sagrado;

9 – Aliás, para poder transcrever a Torá, os sofer precisam conhecer mais de 4 mil leis judaicas — e a transcrição demora, em média, entre um ano e um ano e meio para ser finalizada;

10 – O longo período se deve ao fato de o texto ser completamente redigido à mão — com o emprego de plumas (geralmente de ganso) e com o uso de uma tinta preparada especialmente para a tarefa;

11 – Durante o árduo trabalho, se o sofer cometer qualquer errinho ou mesmo grafar um caractere com formato que não corresponda ao ideal, a transcrição inteira é invalidada e o escriba precisa recomeçar a cópia;

12 – E tem mais: o nome de Deus — também composto por quatro letras em hebraico — é considerado tão sagrado no judaísmo que, cada vez que o sofer precisa escrevê-lo, antes ele deve tomar um banho em um ritual chamado mikvah;

13 – A Torá, como você já deve ter visto, não costuma ter o formato de um livro comum. Ela é feita em pergaminho e consiste em várias páginas (geralmente entre 62 e 84 no total) que são costuradas para formar um longo rolo cujas extremidades ficam presas a duas hastes de madeira chamadas atzei chaim — ou “árvores da vida” em hebraico;

14 – Os pergaminhos são feitos a partir da pele de animais e, no caso da Torá, eles são tipicamente produzidos a partir da pele de vacas kosher — ou seja, abatidas de acordo com as leis judaicas. Após serem preparados por meio de um complexo processo, os pergaminhos são costurados com os tendões dos bichinhos;

15 – Depois de finalizada, uma Torá costuma pesar por volta dos 10 kg — embora existam exemplares com mais de 20 kg;

16 – Por conta do peso, da fragilidade e da importância da Torá para os judeus, é recomendado que, quando um visitante vai a uma sinagoga e, por alguma razão, recebe a honra de segurar o livro sagrado, que ele pergunte como deve manipular o objeto. Derrubar a Torá é considerado uma falta grave e todos os membros da congregação devem jejuar por 40 dias;

17 – Ao longo do ano, os seguidores do judaísmo leem a Torá do começo até o final — reiniciando a leitura após o Ano-Novo Judaico;

18 – Nas sinagogas, a leitura da Torá consiste em um ato público que costuma acontecer três vezes por semana, e o texto pode ser entoado na forma de uma melodia conhecida como trop;

19 – Apesar de a Torá ser considerada incrivelmente sagrada e reverenciada, os seguidores do judaísmo não a veneram como objeto, mas sim os ensinamentos, as revelações e os milhares de anos de tradição que ela representa.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.