As origens do estereótipo de alienígena no entretenimento

As origens do estereótipo de alienígena no entretenimento

Último Vídeo

Você já parou para pensar por que quando falamos em alienígenas, a primeira imagem que vem a nossa mente é de pequenas criaturas humanoides de pele verde ou acinzentada e grandes olhos escuros? O estereótipo que conhecemos foi construída através dos anos para trazer o que temos hoje como o visual padrão de “pequenos homenzinhos verdes”.

O conceito de criaturas esverdeadas não é nada recente: desde monstros de histórias, como goblins e lendas de folclore, personagens com características e comportamentos incomuns àqueles de um ser humano são retratados pela sociedade. Inclusive, uma lenda de folclore inglês do século 12 é um dos contos mais conhecidos sobre o assunto, trazendo crianças que tinham a pele esverdeada, conversavam em uma língua estranha e eram incapazes de comer comida comum.

a(Fonte: Unsplash)

Homenzinhos verdes

No século 19, a primeira impressão do termo “little green men” (homenzinhos verdes, em tradução livre) apareceu em um conto no jornal The Atlanta Constitution, sendo usado para descrever aliens que vieram de outro planeta. Em outra representação, anos depois, no começo do século 20, a série fictícia de livros chamada Barsoom, de Edgar Rice Burroughs, o criador de Tarzan, representava Marte e seus aliens também verdes, porém nada pequenos.

War of The Worlds foi o programa de rádio que estabeleceu as criaturas como elementos da cultura pop, sendo posteriormente adaptado para os cinemas pela primeira vez em 1953 e mais quatro outras vezes posteriormente. À essa altura, o termo “homenzinhos verdes” já era um claro sinônimo para criaturas extraterrestres.

O autor da obra de cinema The War of The Worlds H. G. Wells também foi o primeiro a descrever, em um de seus romances de 1893, a evolução dos humanos para criaturas com grandes cabeças carecas , olhos ovalados, pele cinza e baixinhos, também traduzindo essa mesma representação para aliens na obra Man of the Year Million. A partir daí, diversos autores traziam a mesma descrição para personagens similares. A descrição clássica pode ser encontrada em diversas séries aclamadas como Toy Story, Star Trek, Doctor Who e, é claro, Star Wars.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.