Sacrifício chinês: esqueleto é encontrado decapitado e ajoelhado

Sacrifício chinês: esqueleto é encontrado decapitado e ajoelhado

Último Vídeo

Sacrifícios foram considerados comuns por séculos e séculos e, agora, pesquisadores encontraram um esqueleto que pode ter sido parte de um ritual desse tipo na China. O esqueleto foi encontrado decapitado, ajoelhado e no fundo de um poço na província de Henan, no centro do país. Além disso, estava alinhado com o Norte e com as mãos cruzadas e presas na frente do corpo.

A estimativa é de que o sacrifício tenha sido realizado na época da dinastia Shang, entre os anos 1600 a.C. e 1406 a.C., segundo a agência de notícias chinesa Xinhua Net. Os arqueólogos começaram a escavar o local em 2019 e, até o momento, encontraram restos de fogos de artifício, cerâmicas e ossos, artefatos esculpidos em conchas de mexilhão e grandes estruturas, como estradas, poços e casas.

Esqueleto foi encontrado no fundo de um poço e estimativa é de que sacrifício tenha acontecido na dinastia ShangEsqueleto foi encontrado no fundo de um poço e estimativa é de que sacrifício tenha acontecido na dinastia Shang

Descobertas arqueológicas anteriores à do esqueleto encontrado recentemente já sugeriam que os rituais de sacrifícios eram comuns durante a dinastia Shang. A estimativa é de que em um período de 200 anos, mais de 13 mil pessoas foram sacrificadas e, em alguns casos, isso ocorria com centenas de pessoas de uma só vez. Uma escavação encontrou, em um único poço, 339 corpos.

Os sacrifícios humanos realizados durante este período eram registrados em esculturas ou artefatos e uma das relíquias de Chaizhuang descrevia o método de colocar humanos e animais em uma cova, com a postura ereta, como preparação ao sacrifício. A descrição pode fazer referência ao esqueleto encontrado recentemente, disse a China News.

Apesar disso, a maioria dos esqueletos encontrados e ligados aos antigos sacrifícios chineses foram encontrados deitados em valas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.