Reinados, guerras e incêndio: a história do Castelo de Shuri

Castelos são uma herança sólida dos acontecimentos históricos. Em Okinawa, no Japão, o Castelo de Shuri não apenas testemunhou fatos históricos, como também resistiu a eles. 

Fonte: David Pursehouse/Flickr
(Fonte: David Pursehouse/Flickr/Reprodução)

Construído no século XIV, no Reino de Ryukyu, o lugar sobreviveu aos bombardeios da Segunda Guerra Mundial e a um incêndio devastador em 2019. Hoje, Shuri é parte de Naha, a nova capital de Okinawa. Conheça mais sobre essa construção:

Como é o Castelo de Shuri

Fonte: CTG/SF/Flickr
(Fonte: CTG/SF/Flickr/Reprodução)

Situado em um grande complexo, a construção se divide nos aposentos da família real do Reino Ryukyu (que morou lá de 1429 a 1879), a parte de administração central e as áreas cerimoniais. 

O curioso é que muito da sua arquitetura faz consonância com a vizinha China, e um exemplo disso está nas figuras de dragão e nos salpicos dourados e vermelhos da parede.

A história do local 

Fonte: Carl Court/Getty Images
(Fonte: Carl Court/Getty Images/Reprodução)

Os historiadores acreditam que a sua construção tenha sido no Período Sanzan (1322-1429). Antes de ser anexado pelo imperialismo japonês, Shuri era a capital de Okinawa. 

Na primeira Dinastia Sho, o território insular de Okinawa era uma única nação governada pelo Rei Sho Hashi. Na época, o reino negociava com a China, Japão, Coréia e outros lugares do Sudeste Asiático. Em 1879, o Japão tomou as ilhas Ryukyu e o castelo se tornou o quartel do Exército Imperial Japonês em 1884. 

Os desafios do castelo

Fonte: Wikimedia Commons
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

Durante a Batalha de Okinawa, na Segunda Guerra Mundial, as tropas japonesas se instalaram no castelo para conter o ataque dos norte-americanos em 1945. O lugar foi atacado durante três dias e depois queimado. Depois do fim da guerra, houve grande esforço das autoridades do país para restaurá-lo. 

Ele foi novamente reaberto em 1992 e declarado como Patrimônio Mundial pela UNESCO dez anos depois. Mas em outubro de 2019, um incêndio tomou conta do complexo e queimou até mesmo o salão principal. Acredita-se que um problema no sistema elétrico tenha causado a destruição. 

Fonte: Wikimedia Commons
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

Diante disso, uma campanha de financiamento coletivo levantou US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) para conter os danos. Com as reformas iniciadas, o governo japonês prevê que o Patrimônio Mundial esteja restaurado até 2026. 

Para uma construção que sobreviveu a tantos percalços, parece que o Castelo de Shuri vai continuar a se manter erguido. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.