Seja o primeiro a compartilhar

Conheça as trágicas histórias das filhas de Karl Marx

Concorde ou não com as suas ideias, Karl Marx é um dos pensadores mais importantes de todos os tempos. Porém, isso não garantiu que as suas filhas tivessem uma vida fácil ou confortável. Ao contrário, o espiríto revolucionário do pai foi o responsável pelas dificuldades financeiras da família.

Em 1843, o filósofo se casou com Jenny von Westphalen e teve sete filhos. Durante um período marcado pela pobreza e constantes mudanças, apenas as três herdeiras, Jenny, Laura e Eleanor, conseguiram chegar à fase adulta.

Mesmo em meio a tantas dificuldades, as filhas de Marx ocuparam um papel importante na divulgação do marxismo. Conheça um pouco mais sobre elas.

Jenny: a filha mais velha

Fonte: Wikimedia Commons/ReproduçãoFonte: Wikimedia Commons/Reprodução

As herdeiras do filósofo tiveram que crescer em meio a mudanças constantes causadas pela perseguição ao pai, dificuldade econômica e problemas de saúde. 

Jenny, a primogênita de Marx, foi a que mais sofreu com uma saúde frágil. Desde a sua infância, ela ficava doente constantemente. A jovem acabou falecendo aos 38 anos devido a um câncer de bexiga, quatro meses após dar à luz a sua única filha. 

A morte da primogênita foi devastadora para o pensador. Quem o conhecia, afirma que ele perdeu a vontade de viver.

Laura e Eleanor: a filha do meio e a mais nova

As outras duas herdeiras de Marx também tiveram finais trágicos. Tanto Laura, quanto Eleanor, cometeram suicídio em momentos diferentes. 

Fonte: Wikimedia Commons/ReproduçãoFonte: Wikimedia Commons/Reprodução

Laura era casada com o ativista de esquerda, Paul Lafargue, o principal responsável por introduzir o marxismo na Espanha. O casal viveu muitos momentos difíceis, como a pobreza e a perda de três bebês. Marcados por suas dores, os dois planejaram seu suicídio e cometerem o ato no dia 25 de novembro de 1911.

Fonte: Wikimedia Commons/ReproduçãoFonte: Wikimedia Commons/Reprodução

A caçula da família, Eleanor, também tirou a sua própria vida. Se sentindo nauseada e apática por conta das infidelidades de seu companheiro, o socialista Edward Aveling, Eleanor tomou uma dose de ácido prússico em 31 de março de 1898. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.