O vídeo que você acabou de assistir mostra o trabalho do inventor e artista conceitual Diddo, que decidiu destruir US$ 10 mil — em cédulas de US$ 50, ou seja, 200 delas! — para obter 5 mililitros de sua essência, que foram posteriormente envasados para fazer parte de um estojo batizado de “A Cura para a Ganância”.

Para obter o valioso “remédio”, o artista primeiramente passou as notas por uma máquina para picotar papel, depois por um processador de alimentos e, quando restava praticamente só poeira do dinheiro, ele submeteu esses minúsculos fragmentos a processos químicos para obter o pigmento dos dólares. O líquido vem acompanhado de uma seringa e duas agulhas de ouro 24 quilates, tudo acomodado em uma caixa de madeira finamente decorada.

Obviamente, não se trata de um medicamento de verdade — caso alguém decida injetar a essência dos dólares nas veias pode, inclusive, morrer —, mas sim de um convite para que a sociedade repense as questões relacionadas à ganância e à cobiça. Mas será que precisava mesmo destruir tanto dinheiro assim?

Fontes: Diddo e NOTCOT.org