Sabia que a Pirâmide de Gizé é “torta” por conta de um errinho de cálculo?
01
Compartilhamento

Sabia que a Pirâmide de Gizé é “torta” por conta de um errinho de cálculo?

Último Vídeo

A Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, está, sem sombra de dúvidas, entre os monumentos da Antiguidade mais espetaculares que existem no mundo. Construída há cerca de 4,5 mil anos, até hoje se discute que mistérios essa extraordinária estrutura ainda pode guardar e como, exatamente, essa façanha da engenharia foi erguida. Tanto que pesquisadores das mais diversas áreas não se cansam de estudar o fascinante monumento e propor novas teorias.

Pirâmides do Egito(Smithsonian Magazine/David Degner/Getty Reportage)

Pois foi durante um desses estudos que, de acordo com Josh Hrala, do site Science Alert, um time composto por cientistas da Fundação de Pesquisa Glen Dash, dos EUA, e da AERA — Ancient Egypt Research Associates, uma associação de pesquisa focada no Egito Antigo — descobriu que os engenheiros responsáveis por construir a Grande Pirâmide de Gizé cometeram um errinho de cálculo e, como resultado, ela é “torta”.

Tumba real

A Grande Pirâmide de Gizé foi construída para servir de mausoléu para o faraó Quéops, da Quarta Dinastia, que reinou o Egito entre os anos de 2551 a.C. a 2528 a.C., mais ou menos. Os estudiosos estimam que a tumba real levou por volta de duas décadas para ser concluída e foi construída com a participação de milhares de operários e mais de 2 milhões de blocos de pedra. Além disso, originalmente, quando a pirâmide foi finalizada, ela era revestida por uma camada de pedras calcárias brancas completamente polidas. Possivelmente assim:

Grande Pirâmide de Quéops(DK Find Out!)

Com o passar dos séculos, esse revestimento branco e brilhante foi sendo removido e reutilizado na construção e acabamento de outros monumentos e edifícios no Egito — e é por conta disso que hoje em dia os blocos de pedra se encontram expostos desse jeito:

Pirâmide de Gizé(Wikimedia Commons/Nina)

Então! Voltando ao assunto dos pesquisadores, segundo Josh, em 2016, a equipe estava realizando levantamentos para tentar descobrir quais eram as dimensões exatas da Grande Pirâmide antes do revestimento desaparecer — e foi aí que eles descobriram que os engenheiros egípcios cometeram um erro de cálculo e, na verdade, o monumento é tortinho.

Errinho

Para descobrir como o revestimento de pedra calcária foi instalado sobre os blocos o pedra e quanto espaço essa camada ocupava, os cientistas tiveram que identificar os locais onde as pedras de calcário foram posicionadas. No total, eles encontraram 84 pontos na base da pirâmide onde o material de revestimento foi inserido e, depois, transferiram esses pontos todos para uma grade para calcular os comprimentos de cada lado do monumento.

Revestimento da Pirâmide(Think About It)

Foi aí que eles descobriram que os números não batiam. Os cálculos apontaram que, com o revestimento de calcário, as laterais da Grande Pirâmide mediam, originalmente, entre 230,295 e 230,373 metros de comprimento. No entanto, o lado oeste do monumento media entre 230,378 e 230,436 metros, o que significa que essa face da pirâmide é cerca de 14 centímetros menor.

Bem, nós dissemos que se tratava apenas um “errinho”, né? Considerando a grandiosidade da tumba real, que ela foi construída há milhares de anos, a tecnologia e ferramentas disponíveis na época e que os engenheiros tiveram que calcular tudo na raça, é realmente surpreendente que o equívoco tenha sido tão pequeno!

No entanto, a descoberta não deixa de ser curiosa, sem falar que ela, inevitavelmente, nos faz admirar ainda mais as mentes brilhantes e a habilidade de todos os trabalhados envolvidos na construção da Grande Pirâmide — pelos motivos que citamos acima. O que nós não sabemos é se o Faraó sabia que sua tumba era “tortinha” e se isso podia interferir em sua passagem desta vida para o além.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.