Eita! Segundo as Leis da Física, a vida após a morte seria impossível
2.067
Compartilhamentos

Eita! Segundo as Leis da Física, a vida após a morte seria impossível

Último Vídeo

Eis um assunto que muita gente acredita ser bastante polêmico! Enquanto diversas religiões e crenças defendem a ideia de que a consciência humana seria capaz de permanecer viva depois que falecemos, um professor de FísicaCosmologia do Instituto de Tecnologia da Califórnia — que não parece estar preocupado com as reações da galera convencida de que existe vida após a morte, sim! — afirmou que, segundo as Leis da Física, é simplesmente impossível que isso aconteça. E ponto final!

Fim da história?

De acordo com Sean Martin, do Express, o professor, um cara (com Doutorado e coisa e tal) chamado Sean Carroll, explicou que as Leia da Física que se aplicam a todos os aspectos da vida humana já são completamente compreendidas pela Ciência. Segundo disse, para que fosse possível existir um “pós-morte”, a consciência humana deveria ser algo completamente separado do corpo físico — coisa que ela não é.

Consciência humanaA consciência humana precisaria existir de forma independente do nosso corpo físico (Express/Getty Images)

Analisando do ponto de vista científico, em seu nível mais básico, a consciência humana nada mais é do que uma série de átomos e elétrons que formam a nossa mente. O problema é que, segundo as Leis da Física como a conhecemos, é impossível que toda a informação que acumulamos e armazenamos em nossos cérebros ao longo de nossas vidas permaneça “disponível” de alguma forma depois que morremos.

Isso porque os nossos corpos — e a nossa mente — são, fundamentalmente, conforme mencionamos, compostos por partículas e, uma vez falecemos e os nossos organismos começam a se decompor, nossas memórias seguem o mesmo processo. A razão disso, de acordo com Carroll, está em que as leis que governam o universo não permitem que essas partículas continuem em atividade depois de nossa morte.

Base teórica

Mais especificamente, segundo Sean, o professor baseou suas alegações na Teoria Quântica de Campos — que, basicamente, trata de estudar o comportamento das partículas que compõem a matéria que, por sua vez, forma o universo que nos rodeia. Essa teoroia a une a Mecânica Quântica e a Relatividade para que seja possível estudar a física de partículas (como os átomos e os elétrons) e a física da matéria (como, por exemplo, o nosso corpo físico) e, portanto, Carroll não tirou suas alegações da cartola.

PartículasNenhuma interação foi detectada até agora (Factor Magazine)

Conforme explicou, todos os fótons que existem no universo se encontram em um determinado nível, assim como todos os elétrons se encontram em seu campo específico. O mesmo ocorre com todas as demais partículas de que se tem conhecimento. Sendo assim, segundo Carroll, se a vida continuasse de alguma forma após a morte, testes em nível quântico teriam revelado algum tipo de força ou partícula "espiritual”.

Contudo, seguindo o Modelo Padrão da Física de Partículas, as únicas coisas que os experimentos conduzidos até agora detectaram foram os átomos e as partículas previstos pelo modelo padrão. Para que a vida após a morte pudesse ser provada, de acordo com Carroll, seria necessário desenvolver um novo modelo e observar a interação entre as partículas que conhecemos com as partículas e forças “espirituais”. As afirmações do professor podem ter embasamento científico, mas que vão incomodar muita gente, isso vão, você não concorda? Aliás, o que você opina?

***

Sabia que fãs de filmes e séries agora estão no Clube Minha Série? Neste espaço, você também pode escrever e encontrar outros especialistas sobre seus programas favoritos! Acesse aqui e participe.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.