Antes de colonizar Marte, é preciso pensar em como vamos nos manter lá
62
Compartilhamentos

Antes de colonizar Marte, é preciso pensar em como vamos nos manter lá

Último Vídeo

Com os recursos do planeta Terra sendo consumidos ferozmente, crescimento populacional desordenado e crescente dos últimos séculos, o desafio de muitos cientistas ao redor do mundo é resolver a equação que torna viável a sobrevivência da humanidade nos próximos milênios. A resposta geralmente está bem diante dos nossos olhos e é recorrente: o espaço, a fronteira final.

Já há alguns programas de exploração espacial em estágio avançado, que visam ao prolongamento da existência humana. Mas como fazer para colonizar outros planetas? Quais deles explorar? Atualmente, o nome mais cotado é Marte, localizado a uma distância consideravelmente próxima para padrões espaciais, aproximadamente 55 milhões de quilômetros.

Quando os planetas estão alinhados, essa distância pode ser percorrida em 150 dias, podendo chegar a 300 dependendo das condições. Um limitador importante é combustível, e aí a equação é a mesma que enfrentamos aqui na Terra: quanto mais rápido o trajeto, mais cara sai a conta na bomba de combustível. Como não há postos no espaço, e custa caro realizar essa viagem, os cálculos são feitos para que o consumo seja otimizado e sem desperdícios.

A NASA estima que até 2030 haverá missões tripuladas para Marte. Mas e aí? O que vamos fazer quando chegarmos lá? Além de cada missão espacial custar centenas de milhares de dólares, como faremos para sobreviver em um ambiente com temperaturas entre -20 e 120 ºC, sem vegetação ou animais (pelo menos que tenhamos conhecimento até agora)?

A resposta pode estar na biologia sintética

Estudos anteriores já sugeriram o uso de microrganismos ou estufas hidropônicas para o crescimento de cultivo alimentar em Marte. Agora, o assunto do momento é como combinar engenharia, estudos de DNA e diversas outras áreas visando ao melhoramento genético e ao desenvolvimento de novas funções para organismos vivos.

Levar plantas da Terra e tentar que elas se adaptem por conta própria ao solo marciano levaria muitos anos. Então, a ideia principal é desenvolver cultivos que sejam adaptados às condições extremas existentes e com um melhoramento para que se desenvolvam mais rapidamente que as atuais daqui.

Com isso, além da possibilidade da produção local de comida — o que permitiria uma estabilidade para missões tripuladas e até residências , uma chance de aumentar o nível de alimento disponível a toda a população da Terra, em uma era em que estamos em um processo de escassez, parece uma boa alternativa para nossa própria sobrevivência.

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.