Seja o primeiro a compartilhar

Raça, etnia e a busca do entendimento da genética humana

Em 1933, Albert Einstein foi convidado a visitar os Estados Unidos. Ao preencher os papéis de entrada na alfândega, o cientista judeu não hesitou em escrever HUMANA no espaço em branco ao lado do item “raça”. A diferença genética entre humanos é quase inexistente. Nos chimpanzés, por exemplo, ela é sete vezes maior que a que existe entre seres humanos que vivem em partes diferentes do planeta.

Segundo a antropóloga e paleobióloga Nina Jablonski, “mesmo que raça e etnia sejam usadas como formas de descrever a diversidade humana, a raça é entendida como uma mistura de atributos físicos, comportamentais e culturais. A etnia reconhece as diferenças entre as pessoas principalmente com base no idioma e na cultura compartilhada", explicou ela ao site LiveScience.

Conceito antiquado para o definir genoma

Em 2016, um grupo de cientistas publicou o artigo Taking race out of human genetics (“Eliminando o conceito de raça em genética humana”), em que argumentam ser hora de a ciência encontrar uma ferramenta melhor para entender a diversidade do homo sapiens:

“Após o seqüenciamento do genoma humano nos anos 2000, cientistas pediram o fim do emprego da raça como variável na pesquisa genética. Infelizmente, seu uso como categoria biológica aumentou e é problemático, na melhor das hipóteses e nocivo, na pior.”

A inexistente ciência no racismo

O conceito sobre “raças” foi criado no século 18 por antropólogos com base na origem geográfica e aparência dos indivíduos. Isso não apenas dividiu a espécie humana em “subespécies” como fez acreditar que havia base científica para tal separação. O resultado da premissa tão errada como arraigada de que cor de pele e textura de cabelos são exclusivas de diferentes grupos raciais não tem nenhuma base científica.

Frenologia: a pseudociência que dizia ser possível determinar a inteligência e o estágio evolucionário do indivíduo pela forma do crânio. (Fonte: Biblioteca Pública de Boston/Reprodução)

“Em um grupo de mil pessoas de 'raças' conhecidas é possível encontrar mais variações genéticas entre elas do que entre dois grupos raciais diferentes”, explicou Nina Jablonski, complementando: “Os agrupamentos raciais que inventamos são, na verdade, geneticamente mais semelhantes entre si do que diferentes. Não faz sentido separar as pessoas em raças, de acordo com sua biologia. “

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER