Arqueólogo acusado de forjar artefatos sobre Jesus é julgado

Arqueólogo acusado de forjar artefatos sobre Jesus é julgado

Último Vídeo

Eliseo Gil ficou conhecido mundialmente em 2006 ao apontar supostos artefatos conhecidos como “ostracas” — pedaços de cerâmica cobertos por desenhos, frases em latim, grego e hieróglifos egípcios – datavam do século II em diante. No entanto, alguns profissionais analisaram as inscrições e colocaram em prova a veracidade das palavras de Gil. Para eles, tudo havia sido forjado.

Alguns termos faziam uso de letras maiúsculas e minúsculas, uma prática que só começou a partir do século VIII, e outros não haviam nem mesmo sido inventados na época em que os artefatos, de acordo com o arqueólogo, foram escritos. O mais famoso entre os achados, que retrata a crucificação de Jesus, data de séculos depois do que Gil propôs.

(Fonte: DFA/AFA/Reprodução)
(Fonte: DFA/AFA/Reprodução)

Descrição do caso

Não é apenas o arqueólogo que enfrenta as acusações. Dois colegas de Gil, Óscar Escribano, um geólogo, e Rubén Cerdán, analista de materiais, também passam pelo julgamento da comunidade autônoma do País Basco, no norte da Espanha.

Gil e Escribano podem pegar até cinco anos e meio de cadeia pela acusação de fraude, enquanto Cerdán corre o risco de ser preso por dois anos e meio por falsificação de documentos usados para autenticar os artefatos.

Em 2008, o governo do País Basco, por meio de uma comissão científica, anunciou que 476 dos artefatos foram manipulados. Gil continua com o discurso de que é inocente e não há nenhuma prova científica de que os artefatos não sejam reais.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.