Teste feito em macacos indica mecanismo de consciência cerebral

Teste feito em macacos indica mecanismo de consciência cerebral

Último Vídeo

Uma pesquisa publicada na revista Neuron, no dia 12 de fevereiro deste ano, validou um instrumento no cérebro responsável pela consciência, que durante o experimento teria acordado macacos que foram submetidos à diferentes formas de anestesia.

Apesar de pesquisas realizadas anteriormente sobre o assunto terem apresentado que a permanência da consciência abrange atividades cerebrais difundidas por todo o órgão do sistema nervoso, este novo estudo evidencia o tálamo lateral central como um dos principais responsáveis por desempenhar esta função. Tendo em vista este ponto, a principal autora do artigo e estudante de psicologia da Universidade de Wisconsin-Madison, Michelle Redinbaught, afirmou que “é improvável que a consciência seja específica para um local do cérebro”.

(Fonte: Live Science/Shutterstock/Reprodução)
(Fonte: Live Science/Shutterstock/Reprodução)

Estudo do gatilho cerebral

Para a aplicabilidade da pesquisa, foram utilizados eletrodos no cérebro de macacos, estando eles acordados ou adormecidos, a partir de maneiras diferentes de anestesia. Esses eletrodos foram responsáveis por enviar à diferentes áreas do cérebro pequenos impulsos elétricos, nos quais, quando atingiram o tálamo lateral central a partir de uma frequência específica, despertaram os macacos, mesmo aqueles que estavam sob anestesia profunda.

Segundo Redinbaugh, “a consciência sempre coincidia com duas vias ativadas”, sendo que um deles tem a função de transportar informações sensoriais do tálamo ao córtex cerebral, e o outro apresenta uma reação de previsões, atenções e objetivos, em sentido inverso. Ambos são necessários para a atividade da consciência e sua funcionalidade. A partir disso, os pesquisadores concluíram que existe uma grande probabilidade de o tálamo lateral central atuar como gatilho, ativando e preservando essas duas vias.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.