Ivan Ivanovich, o boneco soviético que foi para o espaço há 59 anos

Ivan Ivanovich, o boneco soviético que foi para o espaço há 59 anos

Último Vídeo

O dia 9 de março marca o aniversário de 59 anos da viagem da nave soviética Korabl-Sputnik 4, que levou ao espaço Ivan Ivanovich, um herói muito inusitado, afinal, ele era um manequim. É isso aí, os soviéticos enviaram um bonecão para fora da Terra (junto com alguns animais) e isso foi muito importante na realização do primeiro voo espacial com um "humano de verdade".

A corrida espacial

A corrida espacial começou como a armamentista logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando a União Soviética e os Estados Unidos capturaram não só a tecnologia, mas também alemães que eram especialistas em foguetes. Os 2 países, então, começaram uma batalha pela supremacia na exploração de tecnologia espacial. Isso envolveu esforços no lançamento de satélites artificiais, no alcance de voos espaciais tripulados suborbitais e orbitais ao redor da Terra, bem como em viagens tripuladas à Lua.

O mês de março de 1961 pode ter representado o momento mais próximo entre a URSS e os Estados Unidos na 1ª onda da corrida espacial. As 2 nações estavam batalhando para conseguir enviar o primeiro homem ao espaço e, em virtude disso, conseguiram ter muitos avanços naquele mês. A NASA iniciou sua missão final não tripulada com o intuito de testar o propulsor que levaria seus primeiros astronautas, e os soviéticos conseguiram provar que sua cápsula, a Vostok, estava pronta para a missão tripulada pelo icônico Ivan Ivanovich.

A Guerra Fria foi uma época repleta de momentos sombrios, mas as consequências da corrida espacial foram extremamente benéficas, com um aumento sem precedentes nos gastos com educação e pesquisa, acelerando avanços científicos e desenvolvendo novas tecnologias.

Até o boneco foi ao espaço, e você não

Ivan nunca foi retirado de seu traje e hoje está pendurado em uma exposição. (Fonte: Smithsonian's Air and Space Museum/Reprodução)

Em janeiro de 1961, o voo Mercury-Redstone 2 da NASA (MR-2) fez Ham, um chimpanzé, voar cerca de 252 quilômetros no foguete antes de cair. O teste foi um sucesso moderado, pois Ham sobreviveu, mas o Redstone ficou quente, significando que o seu combustível queimou muito rápido. Esse problema fez co designer responsável pelo projeto, Wernher von Braun, solicitar uma missão não tripulada adicional, assim, atrasando a primeira missão tripulada norte-americana. Esse adiamento deu espaço para os soviéticos respirarem, eles não podiam perder tempo.

Empenhado em derrotar von Braun, o cientista soviético Sergei Korolev estabeleceu uma data de lançamento provisória do primeiro voo tripulado da Vostok: início de abril daquele ano. Isso fez o programa espacial soviético intensificar seus esforços a fim de garantir o lançamento dentro do prazo.

Mesmo não sendo tripulados, os voos de teste continham cargas biológicas significativas. A Korabl-Sputnik 4 carregava uma cadelinha chamada Chernushka junto a 40 ratos pretos, 40 ratos brancos, vários porquinhos-da-índia, répteis, sementes de plantas, amostras de sangue humano, células cancerígenas humanas, microrganismos, bactérias e amostras de fermentação. E, lógico, também o manequim Ivan Ivanovich, cujo corpo oco carregava mais ratos, outros roedores e amostras biológicas.

"Mas galera, precisava de tanto rato assim aqui dentro?" (Fonte: Smithsonian's Air and Space Museum/Reprodução)

Ivan era feito basicamente de metal, com juntas dobráveis que permitiam facilmente vesti-lo e colocá-lo dentro de sua minúscula espaçonave. Sua “pele” era feita de couro sintético, e sua cabeça destacável também era feita quase toda de metal.

(Fonte: Reprodução)

Com o objetivo de testar os sistemas de comunicação da espaçonave, uma gravação automática de um coral foi colocada dentro do corpo de Ivanovich, a fim de que, caso uma estação de rádio fizesse uma intercepção, percebesse que ele não era uma pessoa de verdade. Com a finalidade de testar o sistema de aterrissagem ao retornar à Terra, o boneco também foi usado, sendo ejetado com sucesso da cápsula e descendo de paraquedas até o chão.

Tem um astronauta morto no meu campo!

Preparados ao possível choque que as pessoas ao redor da área de pouso poderiam sentir ao ver um corpo de astronauta caído no chão frio, as autoridades soviéticas decidiram colocar uma placa na frente do rosto do boneco, deixando bem claro que o corpo não era um humano.

"Calma, meus senhores. Eu sou só um humilde manequim astronauta!"(Fonte: Zvezda Museum/Reprodução)

Enquanto isso, Chernushka pousou separadamente em um local um pouco mais distante. Segundo o protocolo, um oficial da URSS deveria ser o primeiro entrar em cena, pois deveria recuperar a espaçonave e seus ocupantes, afinal o objeto estava armado com um sistema de autodestruição que precisava ser desativado (tudo com o objetivo de evitar a presença de espiões americanos, os quais poderiam "colocar as mãos" no protótipo). No entanto, devido a alguns impedimentos, as autoridades não conseguiriam chegar a tempo, então decidiram priorizar o resgate da cachorrinha, afinal ela tinha sobrevivido à missão e seria uma crueldade deixar o animal morrer por causa de exposição ao frio.

Um modelo de Ivan no assento de ejeção da Korabl-Sputnik (Fonte: Zvezda Museum/Reprodução)

O segundo voo de Ivan foi a bordo da Korabl-Sputnik 5, com o lançamento em 25 de março do mesmo ano, e foi outro sucesso. Os resultados das 2 missões ajudaram os soviéticos a seguir o cronograma com o astronauta Yuri Gagarin, o qual iria ao espaço em 12 de abril de 1961. Assim, Ivan Ivanovich, com seu corpo cheio de roedores e gravação de um coral, serviu de herói desconhecido.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.