79
Compartilhamentos

Cientistas da USP criam capacete para tratamento da covid-19

Num projeto desenvolvido entre a USP e a iniciativa privada, pesquisadores da Escola Politécnica,  Faculdade de Medicina e Faculdade de Odontologia daquela instituição estão desenvolvendo um tipo de capacete que pode ser usado em respiradores artificiais utilizados em UTIs para tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

O professor Raul Gonzales Lima, coordenador do projeto "Inspire — Ventilador Pulmonar de Baixo Custo", explica as vantagens do novo equipamento: “Trata-se de uma opção menos invasiva, já que em muitos casos pode ser uma alternativa para evitar a necessidade de utilização do tubo endotraqueal introduzido no paciente”. 

Conhecido entre os cientistas como "Escafandro", pela sua semelhança com o equipamento usado por mergulhadores, o capacete é composto de uma cúpula redonda de acrílico, uma membrana de látex que se ajusta ao pescoço do paciente, uma almofada inflável sobre os ombros e filtros e válvulas de acesso. 

Os tubos do aparelho são ligados ao respirador artificial e funcionam como entrada e saída de ar. O respirador artificial deve ser capaz de fazer com que o ar que entra tenha concentração e pressão controlados para melhorar a oxigenação sanguínea. 

O Escafandro

Segundo o professor Raul, o equipamento "impede a contaminação no ambiente de uma UTI, já que o ar é filtrado. Assim, possíveis partículas da covid-19 não serão dispersadas no ambiente hospitalar". Pelo fato de o acrílico poder ser higienizado até mesmo com bactericidas, o material pode ser reutilizado em outros pacientes. 

Em terceira versão, o projeto está em fase final de prototipagem. A cada protótipo novos aperfeiçoamentos vão sendo agregados. Ainda se trabalha para a redução da "complacência" que é o espaço morto instrumental que armazena o CO2 que sai dos pulmões. 

As próximas etapas são otimizar a complacência e avaliar o uso de outros materiais. É a chamada etapa física e biomédica que, segundo o coordenador, deve se encerrar nesta semana. Tão logo aprovado pela Comissão de Ética, o projeto passa para a fase de testes clínicos. 

Os trâmites de aprovação junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estão em andamento. Conforme o professor Raul, a produção em larga escala do projeto definitivo deverá ser rápida pois utiliza materiais e infraestrutura de fabricação disponíveis no mercado nacional. O custo estimado do capacete-respirador é inferior a 400 reais.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER