Seja o primeiro a compartilhar

Cientistas alertam para extinção de espécies em massa

Uma nova pesquisa mostrou que a perda global de vertebrados que vivem na terra está numa crescente acelerada, o que indica que centenas de espécies estão sendo ameaçadas de extinção.  O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Stanford e publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences.

A pesquisa examinou 29.400 espécies de vertebrados terrestres e enumerou que 515 têm menos de 1 mil indivíduos restantes, o que as coloca em risco iminente de extinção para os próximos 20 anos. O resultado totaliza 1,7% dos animais analisados. As espécies se localizam em regiões como as Américas, Ásia e África.

Uma das principais espécies ameaçadas é o Rinoceronte de Sumatra. (Imagem ilustrativa: Pixabay)Uma das principais espécies ameaçadas é o Rinoceronte de Sumatra. (Imagem ilustrativa: Pixabay)

Outra descoberta importante foi que "extinção gera extinção", ou seja, o desaparecimento de uma espécie provoca um efeito em outra. 84% das espécies com populações com menos de 5 mil animais dividem as mesmas áreas que populações menores de 1 mil indivíduos, o que causa uma reação em cadeia quando muitas delas entram em extinção. 

Uma das conclusões do estudo é que a 6° extinção em massa da história do planeta está chegando. Esse evento é preocupante porque não se via uma aniquilação da vida animal tão grande desde a queda do asteroide que levou os dinossauros à extinção, há 65 milhões de anos. Os outros cinco grandes momentos de extinção foram causados por mudanças climáticas e geológicas, além de eventos astronômicos. 

Catástrofe anunciada por ação humana

Desta vez, a razão para a extinção em massa é a ação humana. A análise concluiu que o risco de extinção é causado por ações como o crescimento populacional, poluição, comércio de animais selvagens, destruição de habitat e, claro, as mudanças climáticas

"A conservação de espécies em perigo deveria ser elevada a uma emergência nacional e global para governos e instituições, igualmente à perturbação climática com a qual está ligada" disse o biólogo Paul Ehrlich, um dos autores do estudo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER