Bolhas no centro da Terra podem ser maiores do que se pensava

Bolhas no centro da Terra podem ser maiores do que se pensava

Último Vídeo

Como você deve ter aprendido nas aulas de Geografia, a Terra tem uma manta cheia de lava quente em seu interior e um núcleo interno ainda mais quente e sólido, certo? Pois bem, há algum tempo os cientistas descobriram que, mais ou menos na região onde as partes sólidas e fluidas se encontram, há enormes bolhas de rocha quente.

Quando falamos enormes, a gente quer dizer grandes mesmo. Descomunais. Para você ter uma ideia, os cientistas estimam que as maiores delas teriam 100 vezes a altura do Everest. Mas como não existe jeito de mandar um telescópio para o centro da Terra, para estudar as bolhas, isso é só uma estimativa. Na verdade, alguns pesquisadores suspeitam que elas podem ser ainda maiores do que se pensava.

Nesse mapa dá para ter uma ideia da extensão das bolhas.(Fonte: Universidade do Maryland/Reprodução)Nesse mapa dá para ter uma ideia da extensão das bolhas.(Fonte: Universidade do Maryland/Reprodução)

Como estudar as bolhas no centro da Terra?

Se não dá para ir até o centro da Terra, como os cientistas sabem que essas bolhas existem e são tão enormes? Pela atividade sísmica, as ondas causadas pelo movimento do fluido no centro da Terra, que também causam os terremotos.

Dá para saber que essas bolhas existem porque o fluido se movimenta de uma determinada maneira e causa um certo tipo de ondas sísmicas. Quando essas ondas variam muito de velocidade, é porque os fluidos entraram em contato com alguma coisa que tem densidade muito diferente. As bolhas de rocha quente, no caso.

Essa é uma explicação bem simples, claro. Mas isso ajuda a entender do que se trata a nova descoberta.

Os cientistas detectaram uma zona com atividade sísmica característica com mais de 1 mil quilômetros de extensão, no Pacífico Sul, em algum lugar entre o Havaí e as Ilhas Marquesas. Isso quer dizer que a extensão das bolhas pode ser ainda maior do que a previsão anterior, de 100 vezes a altura do Everest (o que daria 884 quilômetros).

Para saber o quanto medem essas bolhas e como elas são, exatamente, os cientistas ainda precisam fazer mais estudos. Mas essa descoberta já é um passo significativo nessa direção. A pesquisa foi feita pela Universidade do Maryland (Estados Unidos).

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.