Filhotes de tartarugas são fascinados por rostos tanto quanto bebês humanos

Filhotes de tartarugas são fascinados por rostos tanto quanto bebês humanos

Último Vídeo

Você já reparou como os bebês são fascinados pelos rostos dos adultos? Os da mãe inclusive são os preferidos, principalmente entre os recém-nascidos – e essa é uma atitude que chama a atenção da Ciência. Um estudo publicado no jornal científico PNAS mostra que essa curiosa característica é compartilhada com outro animal: as tartarugas! 

A análise foi comandada por pesquisadores da Universidade de Trento, na Itália, que observaram o comportamento de filhotes de 5 espécies do gênero Testudo. Foram colocadas 136 tartaruguinhas em um espaço que tinha 4 cartões com padrões diferentes de desenhos: 3 formados por manchas aleatórias e outro que lembrava um rosto, com dois olhos e boca em um formato triangular.

Em 70% das vezes, os pequenos animais eram atraídos pelo padrão que tinha o desenho de um rosto. Os filhotes caminhavam lentamente em direção ao desenho ou viravam o corpo em sua direção, mantendo o olhar fixo na imagem. 

A tartaruga-grega é uma das espécies do gênero TestudoA tartaruga-grega é uma das espécies do gênero Testudo

Amor dos pais?

Esse comportamento já havia sido notado em outros representantes da fauna, como macacos, cachorros e galinhas. Entretanto, nesses casos anteriores, sempre há uma forte relação de proteção dos pais com a cria – as mamães, principalmente, são as mais protetoras, por isso costumam ter o rosto mais atrativo. No caso das tartarugas isso não acontece, já que os filhotes são independentes desde que eclodem dos ovos.

O estudo também mostrou que se o cartão com o rosto desenhado fosse retirado, as tartarugas tendiam a se interessar por aquele que mais se assemelhasse a uma face. Com base nesses resultados, os pesquisadores acreditam que o comportamento de interesse facial é comum nos primeiros meses de vida em diferentes espécies.

Assim, também é possível deduzir que a preferência de filhotes – tanto humanos quanto animais – por rostos é uma característica que surgiu antes mesmo do do cuidado parental, ainda nos primórdios da árvore genealógica. “A predisposição pela abordagem de estímulos faciais observada em filhotes de espécies solitárias sugere a presença de um mecanismo antigo, ancestral à evolução de répteis e mamíferos, que sustenta as respostas exploratórias e potencialmente de aprendizagem, tanto nas espécies solitárias quanto nas sociais”, explicam as autoras Elisabetta Versace, Silvia Damini e Gionata Stancher.

"Não é a mamãe""Não é a mamãe"

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.