Derretimento de calotas irá aumentar nível do mar em 38 cm até 2100

Derretimento de calotas irá aumentar nível do mar em 38 cm até 2100

Último Vídeo

Segundo cientistas do Projeto Intercomparação do Modelo de Manto de Gelo, liderado pelo Goddard Space Flight da NASA Center, em Maryland, Estados Unidos, a constância na emissão de gases estufas pode aumentar em 38 centímetros o nível do mar, com estimativas do fato se concretizar até o ano de 2100. Com o derretimento das calotas polares e as mudanças climáticas no planeta Terra, locais como a Groenlândia e a Antártica entram na lista de territórios em risco e se veem severamente ameaçados.

Apesar das dimensões globais serem mais difíceis de prever, especialmente quando se trata do território da Antártica, os pesquisadores colocam a Groenlândia como responsável por um aumento de cerca de 9 centímetros nos níveis marítimos, caso permaneçam as altas emissões de dióxido de carbono, como é visto atualmente. Enquanto isso, a Antártica poderia elevar o nível do mar em até 30 centímetros, ligando o alerta vermelho para os cuidados ambientais nas décadas que se seguem.

"Uma das maiores incertezas quando se trata de quanto o nível do mar aumentará no futuro é com quanto os mantos de gelo contribuirão", disse Sophie Nowicki, da Universidade de Buffalo, atual líder do projeto. "E a contribuição dos mantos de gelo depende muito do que o clima fará". 

(Fonte: CNN/Reprodução)
(Fonte: CNN/Reprodução)

Para a mesma projeção dos próximos 100 anos, o Instituto Nacional de Pesquisas Sociais já havia constatado que a estimativa é a temperatura global crescer entre 1,8% e 4%, levando em consideração as variáveis de emissão de gases estufa, densidade populacional e ocupação dos ecossistemas sustentáveis. Dessa forma, o aumento gradual das temperaturas surge como fator determinante para o derretimento dos mantos de gelo, contribuindo para o aumento do nível do mar.

Impacto real nos últimos anos

Apesar dos resultados não levarem em consideração a perda de gelo durante a época pré-industrial, as estimativas são baseadas em dados reais como nos casos das regiões do Mar de Amundsen, no oeste da Antártica, e Wilkes Land, no leste do mesmo continente, extremamente sensíveis ao aumento da temperatura.

Os cientistas da NASA acreditam que os resultados e previsões podem contribuir com os projetos para amenizar a situação e unir esforços para conter os danos ambientais, especialmente quando causados por ações humanas contornáveis.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.