'Júpiter Incandescente' vai colidir com sua estrela antes do esperado

Um dos mais interessantes exoplanetas já descobertos está com os dias contados. A 1.410 anos-luz da Terra, o ultranegro WASP-12b, também conhecido como “Júpiter incandescente”, se encontra em uma órbita que, a cada dia, está mais perigosa. Desse modo, novas pesquisas sugerem que a decadência visível de seus caminhos é mais rápida do que a apontada por estimativas anteriores. 

Logo, em apenas 2,9 milhões de anos, o corpo espacial mergulhará em sua estrela anã amarela (um período muito menor quando comparado aos 3,25 milhões de anos supostos inicialmente). De qualquer modo, a existência dele, por si só, é um mistério.

Modelos de formação planetária indicam a impossibilidade de haver exemplares do tipo, pois a gravidade, a radiação e os ventos solares, tecnicamente, impediriam que o gás se aglomerasse e possibilitasse nascimentos semelhantes. Contrariando a Ciência atual, o WASP-12b perambula por sua região, assim como centenas de outros em vários lugares.

Só para se ter uma ideia, o tempo orbital do planeta em questão é de apenas pouco mais de um dia. Por isso, um fluxo constante do material que o forma é constantemente sugado para longe de sua atmosfera pelo astro que o guia. 

Felizmente, enquanto podem, tais objetos podem nos dizer muito sobre as interações universais – inclusive aquelas que envolvem o lar da humanidade.

O pavoroso mistério de existir…

Em nossos “radares”, desde 2008, existe um conjunto de dados consideravelmente amplo a respeito da órbita do WASP-12b, mas só em 2017 é que algo estranho foi notado em meio às medições: um movimento que passou a ocorrer em uma fração de segundo a menos do que o visualizado em análises prévias. Então, Samuel Yee, da Universidade Princeton, e sua equipe de astrônomos decidiram examinar a situação mais de perto.

Apesar de absorver 94% de toda a luz que recebe e de ser mais escuro que asfalto, fenômenos, em sua superfície de 2,6 mil graus Celsius, fazem ele emitir uma grande quantidade de luz infravermelha, justamente o que auxiliou os pesquisadores durante as investigações por meio do Spitzer Space Telescope. Bastaram 4 aparições em 16 períodos orbitais para que chegassem a um veredito.

Em suma, a decadência detectada foi de 29 milissegundos por ano, e uma conta rápida revelou o tempo de vida útil do pobre planeta — 3,25 milhões de anos. Acontece que Jake Turner, da Universidade Cornell, comparou os dados com outros mais recentes capturados pela NASA, de 21 órbitas, e se deparou com o fato de que a queda real é de 32,53 milissegundos anuais, retirando 350 mil anos das expectativas futuras. Os resultados do estudo foram publicados na semana passada (3), no The Astronomical Journal.

Taxas semelhantes são esperadas de exoplanetas como o WASP-12b e, mesmo que ele seja o único do tipo a fornecer informações robustas para a comunidade científica da Terra, mostra que ainda temos muito a aprender e que o tempo, definitivamente, não é infinito.

‘Júpiter Incandescente’ vai colidir com sua estrela antes do esperado via TecMundo

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.