Cientistas descobrem os segredos da Zona Escura da Groenlândia

A Groenlândia, ex-colônia dinamarquesa que é rica em minérios e tem grande parte do território coberto por uma camada de gelo, passa por problemas. Uma boa fatia dessa superfície está derretendo a níveis ainda mais alarmantes do que o normal — e, por vários anos, cientistas não encontravam uma explicação para o fenômeno.

A região mais crítica desse derretimento ficou conhecida como Zona Escura, pois lá o gelo adquire uma coloração diferente do branco tradicional. Ela se concentra em toda a costa oeste da Groenlândia e, caso continue expandindo, pode contribuir ainda mais para o aumento do nível do mar.

O avanço da Zona Escura, que derrete o gelo mais rápido, é preocupante.
O avanço da Zona Escura, que derrete o gelo mais rápido, é preocupante.

O problema? A região não para de crescer e, ao menos até agora, pesquisadores simplesmente não sabiam determinar a causa do surgimento dessa área tão peculiar e como a cor está relacionada com as mudanças climáticas.

Mais simples do que parecia

Cientistas da Universidade de Leeds, na Inglaterra, descobriram o porquê de o gelo adquirir tons de cinza. Segundo os pesquisadores, o problema está em algas que vivem na região e envolve dois fatores que atuam juntos.

A área com coloração escura finalmente tem uma explicação.
A área com coloração escura finalmente tem uma explicação.

As algas Ancylonema nordenskioeldii vivem em ambientes congelados e normalmente ficam em estado dormente. Porém, quando a superfície começa a derreter em períodos mais quentes do ano, elas começam a surgir acima do nível do gelo. 

A exposição dessas algas à luz solar durante todo o dia acaba ativando uma proteção natural, que torna a sua coloração acinzentada e capaz de absorver mais calor. 

A Zona Escura é um mecanismo de defesa contra a luz solar.
A Zona Escura é um mecanismo de defesa contra a luz solar.

O fósforo, bastante necessário para o organismo dessas algas, seria outro responsável por não refletir tanta luz. Ele é obtido pelas algas a partir de rochas que também são reveladas pelo derretimento da superfície de gelo, criando um ciclo: mudanças climáticas fazem as algas aparecerem, gerando também o surgimento das rochas com fósforo, que aumenta ainda mais a população das algas. 

E agora?

A perspectiva dos pesquisadores é pessimista: como as alterações climáticas contribuem para a desaceleração do derretimento, esse processo está em expansão, com as algas aparecendo em uma área cada vez maior da costa oeste do local.

Para chegar à conclusão, eles analisaram amostras de uma área de 1,7 milhões de km² durante dois anos. A pesquisa agora vai para uma etapa de previsão para determinar o avanço do derretimento do gelo da Groenlândia, o que pode ajudar na criação de planos de contenção e monitoramento.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.