Seja o primeiro a compartilhar

1º caso de pênis triplo em humanos é registrado em bebê no Iraque

O primeiro caso de trifalia, anomalia que causa a triplicação do pênis, foi relatado em uma criança na cidade de Dohok, no Iraque. O trabalho que apresenta o caso foi publicado na revista International Journal of Surgery.

O paciente do estudo foi submetido a uma cirurgia por um urologista especialista em urocirurgia e reconstrução peniana, recebendo alta hospitalar sem problemas pós-operatórios e necessitando apenas de um acompanhamento contínuo para avaliar o desenvolvimento do pênis.

(Unsplash/Reprodução)(Unsplash/Reprodução)

O que é pênis supranumerário?

O pênis supranumerário é uma anomalia congênita extremamente rara que afeta um em cada 6 milhões de nascidos vivos, segundo pesquisadores. O termo "supranumerário" é utilizado quando algo excede o número estabelecido como comum. Em um caso médico, pode se referir a órgãos ou partes do corpo em excesso.

O primeiro caso do pênis supranumerário foi relatado em 1609 pelo médico Johannes Jacob Wecker e, desde então, segundo o estudo, apenas 100 casos de difalia — quando existe a duplicação do pênis — foram relatados na literatura. Os pacientes que nascem com essa anomalia podem ter a duplicação ou a triplicação completa do pênis. 

Nenhum dos casos relatado até hoje foi idêntico a outro, o que faz com que cada situação seja única.

Como ocorre o pênis supranumerário?

Segundo os pesquisadores, essa condição ocorre normalmente durante o desenvolvimento embrionário do pênis entre a 3ª e a 6ª semana de gestação. Apesar de não precisar ter uma ligação direta, fatores ambientais, como drogas e infecções, podem desencadear a anomalia. 

Neste caso do estudo, os familiares da criança negaram qualquer envolvimento com drogas ou bebidas durante a gravidez.

Diagnóstico e tratamento 

A hipótese da anomalia geralmente é levantada em consulta clínica com a observação da região íntima do paciente. Segundo os pesquisadores, os exames de imagem, especialmente a ultrassonografia, são úteis para confirmar o diagnóstico, detectando a presença ou ausência de corpos cavernosos ou corpos esponjosos nos pênis.

Por possibilitar uma melhor qualidade de imagem, a ressonância magnética é uma aliada ao determinar como será realizado o procedimento cirúrgico. Ainda segundo o estudo, o tratamento dessa condição é difícil, pois envolve aspectos médicos, éticos e estéticos.

A existência de poucos trabalhos que abordam o tema, devido à raridade dos episódios, é outro ponto negativo. Para o sucesso na abordagem do caso, uma equipe multidisciplinar se faz necessária para o tratamento e o acompanhamento a longo prazo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.