O que significa comorbidade?

Desde seu início, a pandemia de COVID-19 incluiu muitas palavras novas no nosso vocabulário — e, infelizmente, comorbidade é uma delas. Na última semana, a palavra foi ainda mais repetida, especialmente na mídia, levando muita gente a se perguntar: afinal, o que é uma comorbidade? Quais doenças podem ser encaixadas no conceito?

Para entender porque esse debate ficou mais forte, vamos voltar para terça feira (04/05): nesse dia, os milhões de fãs do ator Paulo Gustavo em todo o Brasil receberam a triste notícia de seu falecimento, após semanas de luta contra complicações da COVID-19. Há muito tempo a morte de um ídolo tão jovem, com apenas 42 anos e dois filhos pequenos, no auge do sucesso, não comovia tanta gente. 

Imagem: Jornal O Dia/ReproduçãoImagem: Jornal O Dia/Reprodução

Por isso, quando a final do BBB 21 começou na Rede Globo, onde o ator trabalhava, os espectadores esperavam que o apresentador Tiago Leifert fizesse alguma menção a essa triste notícia. Visivelmente emocionado, ele deu a notícia do falecimento para os finalistas do programa — que estavam confinados desde janeiro e, portanto, não sabiam nem que Paulo Gustavo havia sido internado, em março. Contudo, Leifert cometeu uma gafe ao dizer, quase de passagem, que o ator tinha comorbidades. 

A asma é uma comorbidade para a COVID-19?

Logo após à fala de Leifert, a atriz Tata Werneck, amiga próxima de Paulo Gustavo, foi ao Twitter para desmentir a informação de que ele tivesse comorbidades para a COVID-19.

Muitas pessoas apoiaram o posicionamento de Tata, enquanto outras iniciaram um debate sobre a asma ser ou não uma comorbidade para a COVID-19. Contudo, para responder a essa pergunta, precisamos dar um passo para trás e entender o conceito de comorbidade.


O neurologista Clay Brites, em seu canal NeuroSaber no YouTube, que comorbidade é a associação de doenças em um mesmo indivíduo, de modo que uma condição pode agravar o quadro da outra. Um dos exemplos mais comuns é o da hipertensão arterial, quando ocorre em uma pessoa que já tem diabetes: diz-se que as duas doenças estão em comorbidade. 

Já o psiquiatra Daniel Martins de Barros, também no YouTube, afirma que as comorbidades também são comuns nessa especialidade, com pessoas que sofrem de ansiedade e depressão ou síndrome do pânico, com uma condição influenciando no quadro da outra. Fenômenos semelhantes acontecem com problemas neurológicos, cardiovasculares, e várias outras especialidades, além de ocorrer em idosos. 

Quais doenças são comorbidade para a COVID-19?

Em vista dessas explicações, a gente entende que não é qualquer doença que é comorbidade para a COVID-19. Esse é o caso da asma, ainda mais a de Paulo Gustavo, que estava controlada há anos. Mas a falta de relação entre essas duas doenças, de fato, pode surpreender algumas pessoas. 

Isso porque a asma é uma condição que dificulta a respiração e a COVID-19 é uma doença respiratória. É a lógica... Mas estudos científicos já comprovaram que pessoas com asma não sofrem riscos maiores que a média de serem infectadas pelo Sars-CoV-2, nem de desenvolver formas graves da doença. Então, o perigo é o mesmo para todos e, provavelmente, a asma não influenciou na triste situação de Paulo Gustavo.

Apenas pessoas com quadros severos dessa doença, que efetivamente tem dificuldade para respirar no dia a dia e precisam fazer uso de corticoides, estão incluídos na lista de comorbidades para a vacinação. Essa, aliás, é a outra razão pela qual o termo se tornou muito debatido nos últimos dias.

Imagem: Gustavo Fring/UnsplashImagem: Gustavo Fring/Unsplash

Cada estado e prefeitura divulgou uma lista de comorbidades. Mas, de modo geral, elas incluem doenças pulmonares graves (como asma severa e fibrose cística), diabetes mellitus, problemas cardiovasculares (arritmias, insuficiência cardíaca e etc), acidente vascular cerebral (derrame), doenças renais crônicas, obesidade mórbida, cirosse e quadros de imunossupressão (como pessoas com HIV). Quem tem síndrome de Down também está na lista de prioridades.

É importante comprovar sua comorbidade para ter direito à vacina, levando exames, receitas ou laudos médicos. As pessoas com deficiência podem levar o comprovante do BPC (Benefício de Prestação Continuada, pago pelo governo às PCDs). De todo modo, vale a pena consultar a sua prefeitura para saber mais detalhes sobre a vacinação para pessoas com comorbidades no seu município.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.