Seja o primeiro a compartilhar

Quanto pesa todos os Sars-CoV-2 presentes no planeta?

Cientistas do Departamento de Ciências Vegetais e Ambientais do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel, estimaram quanto pesariam todas as partículas de Sars-CoV-2 caso se estivessem unidas em uma mesma massa. 

A pesquisa, publicada no início de junho pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, calculou que cada indivíduo contaminado pela covid-19 carrega cerca de 10 bilhões a 100 bilhões de partículas Sars-CoV-2, sendo valores referentes aos diferentes estágios da infecção. Esses números foram encontrados a partir de estudos anteriores sobre a quantidade viral presente em macacos rhesus e determinaram as médias em seres humanos após multiplicações de partículas por grama de tecido.

Em seguida, os cientistas utilizaram cálculos prévios sobre o diâmetro do vírus — massa de 1 femtograma (10 elevado a -15 gramas) — e multiplicaram pelo total de partículas presentes em um único indivíduo. Assim, tendo como base os registros totais apresentados no estágio anterior, chegou-se à conclusão de que uma massa de 1 micrograma a 10 microgramas poderia ser encontrada em organismos humanos infectados.

(Fonte: Alex Hogan - Stat News / Reprodução)(Fonte: Alex Hogan - Stat News / Reprodução)

De acordo com dados fornecidos pela Universidade Johns Hopkins, mais de 173 milhões de pessoas testaram positivo para a covid-19 ao redor do planeta e, desses casos, aproximadamente 3,7 milhões foram fatais. Dessa forma, foi possível estimar pesos para a quantidade de Sars-CoV-2 existente na Terra e chegar a conclusões de que o "corpo" global de covid-19, unindo todas as partículas de organismos infectados, teria peso aproximado entre uma maçã (100 g) e uma criança pequena (10 kg).

E as mutações?

A pesquisa permitiu que os especialistas avançassem no estudo sobre a velocidade de atuação e multiplicação do vírus, e esses resultados determinaram que, em um único hospedeiro, há o acúmulo de 0,1 a 1 de mutação em todo o genoma, confirmando as taxas consistentes de propagação indicadoras de que o coronavírus reuniria cerca de três variações por mês.

Além disso, foi identificada uma grande variação no número de partículas virais entre os humanos infectados, o que indica a existência dos chamados superspreaders ("superdisseminadores", em tradução livre), mas ainda não há clareza sobre a forma como essas pessoas espalham o coronavírus (razões biológicas ou sociais). "Esperamos que esta pesquisa inicie novos pensamentos e novos experimentos", concluíram os autores do projeto.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER