Seja o primeiro a compartilhar

Jack Parsons: o gênio expulso da NASA por praticar ocultismo

Jack Parsons foi chamado de louco pela mídia antes mesmo de receber o título de gênio por seu pioneirismo no desenvolvimento de foguetes nos Estados Unidos. Nascido em 2 de outubro de 1914, em Los Angeles, ele começou seus experimentos no quintal de casa, construindo foguetes à base de pólvora com apenas o conhecimento do ensino médio concluído.

No entanto, Parsons não demorou para reunir mais pessoas em seu projeto, como seu amigo de infância Ed Forman e seu vizinho Frank Malina, formado no Instituto de Tecnologia da Califórnia. No final da década de 1930, eles já eram o "Esquadrão Suicida", como se autodenominaram, com a genialidade de Parsons para criar combustíveis para foguetes.

No início de 1940, Malina foi até a Academia Nacional de Ciências para obter financiamento para estudar a propulsão a jato. Três anos depois, o Esquadrão Suicida virou Corporação de Engenharia de Jato Aéreo (Aerojet), e teve seu trabalho oficializado pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

A vida obscura

(Fonte: Frieze/Reprodução)(Fonte: Frieze/Reprodução)

Contudo, a genialidade de Parsons não foi o suficiente para desviar atenção de sua vida pessoal, e ele se viu em meio a um escândalo. Enquanto desenvolvia métodos científicos para ajudar a colocar homens na Lua, ele participava de reuniões da Ordo Templi Orientis (OTO), liderada pelo controverso e notório ocultista britânico Aleister Crowley.

Crowley era conhecido por ser um magista que pregava que o ser humano deveria basear suas crenças em satisfazer desejos pessoais, comungar com o Demônio, e realizar rituais de cunho sexual para transcender.

Aleister Crowley. (Fonte: Pinterest/Reprodução)Aleister Crowley. (Fonte: Pinterest/Reprodução)

Quanto mais Parsons crescia dentro da NASA, mais envolvido com as artes obscuras ele ficava, chegando a ser nomeado líder da OTO na Costa Oeste no início da década de 1940. O engenheiro usou o próprio dinheiro para comprar uma mansão em Pasadena, onde pôde fazer suas aventuras sexuais, como se relacionar com a irmã de 17 anos de sua esposa e realizar orgiais ritualísticas.

Segundo a esposa de Frank Malina, o local era como "entrar em um filme de Fellini, com mulheres andando peladas em togas, com maquiagens esquisitas e algumas vestidas de animais silvestres".

A explosão

(Fonte: Linda Hall Library/Reprodução)(Fonte: Linda Hall Library/Reprodução)

Enquanto os amigos de Parsons ignoravam esse lado doentio de sua vida, o governo dos EUA não conseguiu fazer o mesmo. O Departamento Federal de Investigação (FBI) passou a ficar de olho na vida do homem, descobrindo atividades que classificou como "um risco para a segurança nacional".

Em 1943, Parsons recebeu tudo o que tinha por sua contribuição na Aerojet e foi expulso do campo de estudos que criara. Esse momento foi marcado pela derrocada dele, embrenhando-se cada vez mais no ocultismo. Ele perdeu dinheiro em rituais supérfluos para invocar entidades e foi considerado "um tolo fraco" por Crowley.

No final da década de 1940, com o FBI ainda em seu encalço com as atividades estranhas que realizava, Parsons direcionou sua experiência com explosivos para o ramo do cinema, voltando às raízes de brincar com fogo no quintal de casa.

(Fonte: Pinterest/Reprodução)(Fonte: Pinterest/Reprodução)

Em 17 de junho de 1952, enquanto trabalhava com os explosivos em seu laboratório, ocorreu uma detonação não planejada que destruiu o local e matou Jack Parsons imediatamente. Ele foi encontrado com os ossos quebrados, um antebraço direito faltando e metade do rosto quase arrancado.

Enquanto o governo garantia que foi um acidente, os amigos de Parsons afirmaram que ele jamais teria cometido qualquer tipo de erro que pudesse causar um acidente, deixando no ar que talvez o FBI tenha se livrado dele devido aos seus envolvimentos secretos.

A mídia, por outro lado, especulou que talvez fossem as forças malignas reivindicando a alma dele, após vendê-la pelo sucesso que só o fez se perder no meio do caminho.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER