Seja o primeiro a compartilhar

Vitória-régia: extremamente bela, planta também é comestível

Se você é brasileiro, muito provavelmente já ouviu falar na maior planta aquática do país: a vitória-régia. O que muitas pessoas não sabem, entretanto, é que essa planta de beleza única também pode servir como alimento, figurar em saladas e possui características de sabor muito parecidas com uma endívia.

Sementes, flor e talo de espinhos são as partes principais da vitória-régia aproveitadas pela culinária nacional. Característica da região amazônica em lagos e lagoas de água parada e rasa, a planta aquática de quase 2 metros de diâmetro costuma flutuar com as suas largas folhas e pode sustentar um peso de até 40 kg.

Aproveitamento da vitória-régia

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Quando o assunto é culinária, o rizoma da vitória-régia se transforma em um tipo de batata chamado de cará- d'água, suas sementes explodem em alta temperatura basicamente como pipocas e o seu pecíolo suculento e crocante pode até virar uma receita semelhante ao espaguete.

O formato da planta lembra tanto um tacho de fazer farinha de mandioca que em algumas regiões ela também é apelidada de planta forno-de-jaçanã ou forno-de-jacaré. Enquanto estudavam para escrever o livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC), os pesquisadores Harri Lorenzi e o Valdely Kinupp descobriram referências do uso da vitória-régia na culinária por populações indígenas no passado.

Segundo a dupla, atualmente existem cerca de 351 espécies de plantas comestíveis que não são encontradas em grandes mercados. Inclusive, receitas envolvendo o uso de vitória-régia não são comuns em territórios brasileiros, onde nem mesmo as comunidades amazônicas parecem ter levado essa tradição para frente.

Características da planta

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Com crescimento muito acelerado, as vitórias-régias tem sua população controlada em alguns locais. No Jardim Botânico Plantarum, em São Paulo, os cabos das plantas aquáticas constantemente precisam ser cortados e jogados fora porque não param de crescer. Caso nada fosse feito, não existiria espaço para os 25 exemplares fixados no lago.

A partir desse descarte, alguns produtores podem aproveitar para comercializar partes da planta para o mercado culinário. Para compreendermos o uso da vitória-régia, precisamos definir sua anatomia nos seguintes elementos:

  • Folha: parte mais evidente das vitórias-régias, é a única parte que não pode ser comida
  • Sementes: estouram em calor alto e viram pipoca, possuem sabor mais adocicado e marcante que o milho
  • Pecíolo, cabo ou talo: é a parte da flor cheia de espinhos, que precisam ser removidos para consumo. Pode ser preparado como picles, espaguete ou até mesmo em doces cristalizados.
  • Rizoma: também chamado de cará-d'água ou cará-do-rio, sua retirada implica na morte da vitória-régia e pode ser comida como se fosse um cará. 
Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER