Seja o primeiro a compartilhar

Pesquisa mostra como é possível gostar de matémática

A afinidade com a matemática costuma ser questionada ao longo da vida, ao ponto de muitos de nós desenvolvermos traumas com o estudo da disciplina. Contudo, pesquisadores estão empenhados em estudos para desmistificar a ideia de que não nascemos para os números.

Especialistas apontam que uma das razões prováveis para esse temor com a matemática pode estar na maneira como ela é ensinada. Em entrevista à BBC, Jo Boaler, autora de uma pesquisa sobre o tema na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, afirmou que a disciplina é dada aos alunos de uma maneira chata, o que causaria o afastamento das pessoas.

Estímulos positivos facilitam ensino da matemática

(Fonte: Pexels)(Fonte: Pexels)

Um dos pontos destacados na pesquisa conduzida por Jo Boaler e exposto em seu livro Mente Sem Barreiras (Penso, 2019; 228 páginas), o uso de métodos criativos é visto por vários especialistas como preponderante ao ensino moderno da matemática.

Isso porque o acréscimo de desenhos, cubos e objetos coloridos, além do incentivo ao trabalho criativo em equipe, facilita a assimilação do conteúdo. E Boaler vai além: para a pesquisadora, os erros que alunos cometem durante o aprendizado devem ser exaltados e não condenados.

De acordo com a autora, quando um estudante é repreendido por um erro cometido no estudo matemático, há uma tendência a que desistam de aprender por não se consideraram aptos à aquisição de conhecimento na área. A isso, Boaler acrescenta que o aprendizado não deve priorizar a rapidez na transmissão do conteúdo.

Cérebro se aproveita dos erros

(Fonte: Pexels)(Fonte: Pexels)

Ninguém tem prazer em cometer erros, mas a ciência já descobriu que, apesar de ruim para o moral, é um momento de expansão do cérebro. A pesquisadora defende que errar é parte substancial e importante da aprendizagem, pois indica que nosso cérebro está fazendo esforço e as sinapses estão trabalhando.

O cérebro humano se fortalece e expande quando aprendemos algo novo, e esse processo nem sempre é simples. Por esse motivo, criar experiências de aprendizado aos indivíduos que estudam a matemática auxiliaria a compreensão dos conteúdos e transmitiria uma sensação fundamental ao aprendizado de qualquer coisa: a confiança de que você é capaz.

Ou seja, qualquer pessoa é apta a aprender matemática — e tudo mais o que desejar. E isso é confirmado pela neurociência, que também defende a necessidade de que estudantes estejam confortáveis, inclusive emocionalmente, para se sentirem desafiados pelo aprendizado, não ameaçados.

Ensino da matemática no Brasil é desafiante

(Fonte: Pexels)(Fonte: Pexels)

O ensino da matemática é considerado difícil por estudantes brasileiros. De acordo com dados do exame Prova Brasil de 2017, oito em cada dez alunos do país concluíram o ensino fundamental sem adquirir conhecimento mínimo esperada para a disciplina.

O resultado brasileiro no PISA, exame internacional que testa conhecimentos de alunos de 15 anos, foi pífio: 66º lugar entre 70 países analisados. Isso impõe às autoridades do país o desafio de tornar o ensino da matéria mais acessível.

E para a pesquisadora Jo Boaler, isso precisa começar com o professor. Para Boaler, é dele o papel de mostrar aos estudantes que eles são, de fato, capazes de aprender e, para tal, devem ser incentivados a desenvolver seu potencial, como mostram as evidências neurocientíficas.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.