Seja o primeiro a compartilhar

Nova edição dos Discos de Ouro da Voyager pode ir ao espaço

Mais de quatro décadas se passaram desde que os Discos de Ouro originais foram lançados no espaço profundo a bordo da Voyager 1 e da Voyager 2, em um dos primeiros esforços da humanidade para se comunicar com espécies exóticas. Agora, cientistas estão cogitando montar uma nova edição da mensagem para fornecer à vida extraterrestre uma nova visão da Terra no século XXI. 

Os Discos de Ouro originais eram como uma mensagem na garrafa arremessada no mar, só que no universo, com a esperança de fornecer informações sobre a atualidade, a sociedade humana e a história do nosso planeta às formas de vida extraterrestres. Eles consistem em dois discos fonográficos folheados a ouro que continham áudio e imagens projetadas para retratar como era a vida na Terra, colocados a bordo de cada espaçonave Voyager em 1977.

Mensagem universal

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

O conteúdo guardado pelos Discos de Ouro da Voyager foi selecionado por um comitê liderado por ninguém menos que Carl Sagan, um cientista planetário e divulgador científico notório. Eles escolheram uma coleção de saudações faladas em 55 idiomas, músicas de diversas culturas, diagramas científicos, imagens do mundo natural e da cultura humana, além de definições matemáticas. 

Dentre as línguas selecionadas está o português, e a pessoa selecionada para fazer a gravação da nossa língua materna foi Janet Sternberg, uma americana integrante do Departamento de Línguas Estrangeiras de Cornell que morou no Rio de Janeiro. Se a humanidade lançasse uma nova edição dos Discos de Ouro, o que poderia aparecer de novo em relação à mensagem original?

Um novo artigo pretende responder a essa pergunta com um projeto chamado Message in a Bottle (MIAB), ou "Mensagem em uma Garrafa" no nosso português. O trabalho ainda está na sua fase inicial, mas o objetivo seria lançar uma cópia do MIAB no espaço a bordo de uma futura missão espacial e manter outra cópia na Terra. 

“Embora as probabilidades de uma entidade extraterrestre receber o nosso comunicado sejam mínimas, a versão replicada salvaguardada na Terra oferecerá informações valiosas sobre a nossa civilização e o seu legado para as gerações seguintes ou, potencialmente, para espécies inteligentes que possam um dia visitar o nosso planeta”, disseram os autores do estudo em comunicado.

Novo recado aos extraterrestres

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Ao contrário dos discos originais, a nova mensagem poderá apresentar vídeos em resoluções altas, o que permitiria aos "seres estranhos" observar a humanidade com muito maior profundidade do que uma imagem estática ou gravação de áudio. Além disso, a mensagem também pode incluir outras formas modernas de mídia, como jogos ou códigos de computador.

No entanto, um problema ainda permanece: como criar uma mensagem que seja universalmente compreensível? No cenário onde uma vida extraterrestre consegue consumir esse conteúdo, como ela iria nos entender? Para superar esse obstáculo, os investigadores recomendam a criação de um sistema em que a informação possa ser desvendada em etapas graduais, começando pelos fundamentos da vida na Terra e progredindo para aspectos mais complexos da sociedade humana e da ciência.

Em última análise, o MIAB poderia ser uma propaganda atraente para a nossa espécie e suas realizações, bem como uma cápsula do tempo para documentar a nossa experiência. Afinal, esse sempre foi o espírito original dos Discos de Ouro de Sagan na década de 1970. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.