(Fonte da imagem: Thinkstock)

De acordo com um artigo publicado pelo The New York Times, bares e restaurantes descobriram uma maneira de fazer com que os seus clientes consumam mais e mais depressa, e essa arma secreta é a música.

Segundo a publicação, quanto mais alto o volume e mais rápido o seu ritmo, maior vai se tornando o consumo por parte dos clientes. Tanto que inclusive existem trabalhos científicos sobre o tema, confirmando essa relação, e restaurantes e bares agora contam com a ajuda de engenheiros de som e consultores especializados para criar a sintonia perfeita entre ritmo, volume e consumo dos clientes.

Tudo culpa do DJ

Estudos realizados por pesquisadores da Université de Bretagne-Sud, por exemplo, concluíram que o som mais alto em bares pode induzir os clientes a beber mais depressa. Eles observaram que, enquanto a música se mantinha a 72 decibéis, a média de consumo era de 2,6 bebidas em 14,5 minutos. Entretanto, ao aumentar o som para 88 decibéis, o consumo subiu para 3,4 bebidas em 11,5 minutos. Um aumento bastante significativo.

No caso de locais que servem comida, por exemplo, além de fazer com que os clientes consumam mais e mais depressa, o uso da música pode ajudar os proprietários a aumentar a rotatividade em seus estabelecimentos, já que nem todo mundo consegue permanecer em um local com som muito alto durante longos períodos de tempo.

Assim, outro estudo, realizado por pesquisadores da Universidade Fairfield, de Connecticut, observou que os clientes de um restaurante consumiram suas refeições mais depressa quando o ritmo da música tocada ao fundo aumentou de 3,83 para 4,4 bpm. E você, leitor, concorda que a música realmente afeta a maneira como você se comporta em bares e restaurantes?

Fonte: The New York Times