Você conhece os benefícios do parto humanizado?

Você conhece os benefícios do parto humanizado?

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Crédito: Shutterstock

Quando o assunto é maternidade, é preciso escolher muito bem os detalhes que envolvem a chegada do bebê. Além de todos os cuidados médicos que os pais precisam ter para acompanhar a evolução da gestação, é importante começar a pensar desde cedo na maneira como a criança chegará ao mundo.

Atualmente os profissionais de saúde têm discutido e avaliado as vantagens que a mãe e seu filho podem ter com diferentes tipos de parto. Nesse sentido, tem havido um maior interesse por parte das mães em receberem os pequenos da maneira mais natural possível. Esse movimento foi responsável por reabrir a discussão em torno do parto humanizado, que tem como principal objetivo divulgar os benefícios da prática.

Para entendermos melhor em que consiste um parto humanizado, o TodaEla conversou com a doula Maria Juracy Aires, formada pelo GAMA, em São Paulo, que nos explicou os detalhes desse tipo de parto. Ainda, abaixo você confere o depoimento da mamãe Grace Alves e os benefícios que o parto humanizado trouxe para a vida dela e do bebê.

Leia também:

Um retorno às raízes

Crédito: Shutterstock

Para entender melhor em que consiste o parto humanizado, é possível estabelecer um paralelo com a cesariana. Enquanto a última faz uso de diferentes recursos médicos para garantir a saúde da mãe e do bebê, o parto humanizado acredita na força da natureza para que todo o trabalho de parto se dê sem a necessidade de intervenção.

Obrigatoriamente, a cesariana é um procedimento que precisa ser executado em um ambiente hospitalar, como o apoio de uma equipe médica preparada e pronta para intervir quando houver necessidade de induzir contrações, estimular o parto ou tomar quaisquer atitudes necessárias para assegurar a vida da mãe e do bebê.

Na opinião da doula Maria Juracy Aires, o parto humanizado se assemelha bastante ao que era feito em um contexto mais primitivo da humanidade em que as mulheres davam a luz naturalmente. Ela acredita que o processo visa aproximar mais a mãe e o bebê através de seus instintos. Na medida do possível, esse tipo de parto dispensa a intervenção da medicina.

Outro aspecto que a especialista ressalta sobre esse tipo de parto é que a mulher e o bebê passam a ter um papel ativo durante o nascimento. A mulher assume seu papel como mãe e responsável pela criança e o bebê precisa fazer mais um grande esforço para garantir sua sobrevivência. Em outras palavras, durante o parto humanizado, mãe e filho estão lutando ativamente pela vida.

Em um procedimento tradicional, assim que o bebê nasce ele é levado para realizar os primeiros exames. Em uma visão humanizada do nascimento, os primeiros instantes de vida do bebê são reservados para que ele fique junto da mãe e, se possível, seja amamentado.

A preparação da gestante

Em outro artigo do TodaEla, mostramos uma série de cursos que são oferecidos especificamente para as gestantes e seus cônjuges para que eles possam se preparar da melhor maneira possível para experienciar a gravidez e o nascimento do bebê.

Crédito: Shutterstock

Independente do tipo de parto que a futura mamãe deseje realizar, é muito importante que ela busque informações em livros, na internet e, principalmente, com doulas, pediatras e obstetras para esclarecer todas as suas dúvidas e avaliar qual é a melhor opção para ela e seu filho.

Entre aquelas que optam por um parto natural, existem espaços que oferecem cursos de yoga e técnicas de massagem e relaxamento que têm como principal objetivo facilitar o trabalho de parto, diminuir a ansiedade dos pais e reduzir as dores e desconfortos que costumam ocorrer ao longo do processo.

A doula Maria Juracy Aires afirma que começa a trabalhar com as mamães a partir do segundo trimestre de gestação. Uma dica valiosa que a doula dá é que a gestante entre em contato com os profissionais logo no começo da gestação. Ela acredita que seja importante para a futura mãe buscar a ajuda de doulas, pediatras, obstetras e outros profissionais que trabalhem com a mesma ideologia que ela procura. O contato adiantado com esses profissionais trará segurança para a gestante, que terá tempo para se preparar e esclarecer todas as dúvidas que tiver.

Os benefícios do parto humanizado

Nos diversos sites e blogs de mães e profissionais da saúde que se reúnem para promover o parto humanizado, circula uma lista com 50 benefícios do parto humanizado elencados pelo Dr. Ricardo Jones, médico ginecologista, obstetra, homeopata e um dos principais nomes em parto humanizado no país. Entre eles, destacamos 10 benefícios do parto humanizado:

  • Risco de hemorragias e infecções reduzido;
  • Recuperação pós-parto praticamente imediata;
  • Fica-se muito menos tempo no hospital, acarretando menos custos financeiros e emocionais;
  • Acarreta menos riscos físicos e emocionais para mãe e bebê;
  • Menor índice de depressão pós-parto;
  • Ter somente quem você deseja por perto;
  • A compressão do canal vaginal espreme o bebê, mal comparando, como uma bucha, saindo líquido pelos ouvidos e narinas. Ele já nasce sequinho, pronto para respirar;
  • Psicólogos afirmam que o "trabalho" de parto é um processo de esforço importante para o bebê, um despertar de traços como perseverança, garra, vontade. O bebê não é passivo no parto normal, é ativo;
  • O processo do parto desperta uma cadeia de reações hormonais responsáveis pela descida do leite, pela diminuição do tamanho do útero para que volte ao normal e outros tantos efeitos;
  • A maturação final do pulmão do bebê acontece durante o processo de trabalho de parto.

Outro ponto que costuma preocupar bastante o público feminino são as possíveis dores desencadeadas pelo parto. Maria Juracy Aires nos explica que as sensações variam muito de mulher para mulher e podem ser relatadas como um desconforto até uma dor realmente intensa.

Considerando que o parto humanizado preza pela não utilização de indutores ou inibidores durante o trabalho de parto, a doula enfatiza que existem técnicas de relaxamento e alívio da dor recomendadas pela Organização Mundial de Saúde que são amplamente utilizadas nesses momentos. Massagens e uma série de exercícios que acalmam e diminuem a ansiedade ajudam a mulher a passar pela experiência com tranquilidade, dispensando a necessidade de medicamentos.

Crédito: Shutterstock

Além desses pontos positivos, a especialista ressalta que a vivência de um parto é responsável por uma série de mudanças psicológicas e de autoestima para a mulher. De acordo com sua experiência, a doula relata que é possível notar a diferença assim que a mãe dá a luz e tem seus primeiros momentos com o bebê. A profissional conta que depois de um parto ativo, a mulher passa a acreditar em si mesma e na força de seu corpo.

Após o parto natural, a recuperação da mamãe é rápida e simples. Dentro de pouco tempo a mulher que passou por um parto humanizado pode retomar suas atividades normais. Ainda, o corpo não fica com cicatrizes e não demanda maiores cuidados após o parto.

O depoimento de quem viveu a experiência do parto humanizado

Parte do processo de preparação das futuras mamães inclui conhecer as experiências de outras pessoas para que isso ajude na decisão do que é melhor para si e para o bebê. Por esse motivo, o TodaEla conversou com uma mãe que optou pelo parto humanizado e aceitou dividir o seu relato conosco.

Grace Alves – mãe da Camila de 1 ano e 9 meses

Ao começar a relatar sua experiência, Grace Alves, gerente de negócios, disse que todo o processo “foi algo muito diferente e muito gratificante como mulher”. Incentivada pela mãe, Grace conta que nunca considerou outro tipo de parto que não fosse o natural.

A gerente de negócios é gaúcha, mas mora em Curitiba e foi na capital paranaense que, por indicação de uma colega de trabalho, teve contato com a doula e o obstetra que cuidariam de sua gestação. Por ser um filho planejado, Grace relata que começou a frequentar as reuniões de um grupo de gestantes mesmo antes de engravidar para poder obter informações e escolher o que seria melhor para ela e o bebê. Ela ainda fez aulas de yoga e assistiu cursos e palestras sobre gestação.

Um dos principais motivos que levaram a mãe de Camila a optar por um parto humanizado foram os benefícios que isso traria para o bebê: “No momento em que a criança passa pelo canal vaginal, ela está lutando para vencer uma etapa da vida, que é o nascimento. Mesmo inconscientemente ela vai saber que é capaz de ultrapassar outros obstáculos ao longo da vida”, declara a gerente de negócios.

Crédito: Shutterstock

Grace Alves também comenta a mudança que ela sofreu depois de vivenciar seu primeiro parto. “Você se fortalece e sabe que é capaz de passar por uma experiência dessas. É um aprendizado, uma experiência de vida muito forte e importante para os dois. O pai também vê a mãe lutando pela sobrevivência daquele ser que é dos dois. Ele vê uma pessoa mais forte, com uma força que talvez ele não visse antes na companheira dele”.

Quando os primeiros sinais indicaram a chegada de Camila, Grace se encaminhou ao hospital para realizar seu parto. Essa foi a opção do casal para que todos os recursos médicos estivessem à disposição caso fossem necessários. Depois de cerca de 15 horas de trabalho de parto, Grace conta que conversou com o médico e o esposo e, juntos, decidiram que a administração de ocitocina seria benéfica para a mãe e o bebê. Apesar de usar a substância para acelerar o parto, Grace optou por não recorrer a qualquer tipo de anestesia.

Assim que Camila nasceu, ela não foi encaminhada para o berçário e ficou junto dos pais. Grace acredita que o fato de estar acompanhada de um médico e uma doula que trabalham com o parto humanizado contribuiu para que tudo saísse conforme o planejado, sem que nenhuma rotina hospitalar fosse imposta para ela.

Humberto Garotti, o esposo de Grace e único acompanhante no nascimento de Camila, teve um papel imprescindível em todo esse processo. A gerente de negócios conta que o marido a acompanhou nas reuniões do grupo de gestantes, fez cursos e, principalmente, sempre apoiou suas decisões. No momento do parto, Humberto estava lá para proteger e dar segurança à Grace: “O pai participou o tempo todo, a experiência também é dele. Ele me ajudou, conversou comigo, aliviou meu desconforto, me protegeu. Proteção e segurança, esses são os principais papéis do pai”.

Resumindo toda essa etapa de sua vida, Grace fala um pouco sobre os benefícios que o parto humanizado: “A Camila é uma criança feliz, superativa, que já nasceu com os olhos arregalados para o mundo”. A mãe explica que ter um filho independente e capaz de enfrentar os desafios da vida é a maior realização. Para Grace, o sentimento também é de realização como uma mulher que foi capaz de tomar essa decisão e passar por todo o processo. Se for repetir a experiência, Grace conta que já decidiu que fará seu parto em casa, com mais tranquilidade e segurança por estar confortável e livre para fazer o que quiser.

A gerente de negócios finaliza com um recado para as mulheres que planejam a chegada de um bebê: “Eu vejo as mulheres ainda muito inseguras e amedrontadas pelo mito da dor. Busquem o que é melhor para o seu filho e sua família, tomem decisões conscientes com base em informações e não deixem que outras pessoas tomem essa decisão por você”, finaliza Grace Alves.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.