Inacreditável: homem com apenas 10% do cérebro tem vida normal
1.118
Compartilhamentos

Inacreditável: homem com apenas 10% do cérebro tem vida normal

Último Vídeo

O cérebro, como você sabe, é o centro de comando do nosso corpo, e nós aprendemos que a ausência dele é algo simplesmente incompatível com a vida, pois mesmo a falta de grandes porções desse órgão pode trazer uma série de consequências sérias. É por isso que o caso que vamos contar a seguir é tão surpreendente e vem deixando médicos e especialistas completamente perplexos.

Trata-se de um francês — casado, pai de dois filhos e funcionário público na cidade onde mora — que, ao ir ao médico para reclamar de uma leve fraqueza na perna esquerda, fez uma série de exames e descobriu que cerca de 90% de seu cérebro não existia! O caso foi publicado em 2007 em um periódico científico e, na época, o homem “sem miolos” tinha 44 anos.

Mas... Como?

Os médicos explicaram que o sumiço do cérebro provavelmente foi resultado de circunstâncias bem peculiares. Quando era bebezinho, o paciente foi diagnosticado com uma condição conhecida como hidrocefalia — que se caracteriza pelo acúmulo de fluidos no interior da cavidade craniana — e teve uma válvula para drenar o excesso de líquidos de seu crânio.

Radiografia do paciente francês

Aos 14 anos de idade, seus médicos julgaram que o paciente não sofria mais com o problema e removeram o dispositivo. A equipe atual acredita que, desde então, o homem continuou acumulando fluidos em seu crânio e, ao longo de 30 anos, esse material foi corroendo seu cérebro — até que restasse apenas 10% do órgão.

O que mais assombra os médicos é o fato de que o paciente tenha conseguido passar todo esse tempo sem desconfiar do que estava acontecendo e tenha levado uma vida absolutamente normal apesar da ausência de quase todo o cérebro — sendo capaz de falar, caminhar, formar memórias, controlar suas funções vitais, solucionar problemas e formular pensamentos!

Entretanto, segundo os especialistas, o que mais impressiona no caso é que ele não só leva a Ciência a questionar o que é necessário para que uma pessoa possa sobreviver, mas também desafia a própria concepção de consciência.

Consciência sem cérebro

Os especialistas acreditavam que a consciência podia estar associada com diversas áreas cerebrais, como, por exemplo, o córtex visual e o claustro — uma fina camada de neurônios que se projeta através de regiões nobres do cérebro. Só que o caso do homem francês contraria essa teoria, já que, de acordo com ela, por não possuir 90% do órgão (e, portanto, ter apenas 10% dos neurônios que deveria), ele não poderia ter consciência.

Ausência de cerca de 90% do cérebro

O caso do paciente sugere fortemente que é pouco provável que apenas regiões específicas sejam as responsáveis pela consciência. Em vez disso, no lugar de nascermos com ela, os especialistas acreditam que o cérebro se adapta e aprende a “ser consciente” constantemente. Sendo assim, a localização dessa qualidade pode ser flexível e assimilada por diversas áreas cerebrais.

Além disso, o intrigante caso do francês sugere que o cérebro dos adultos pode ser muito mais adaptável do que se pensava — e capaz de assumir papéis diferentes quando o órgão sofre danos graves. Segundo os especialistas, a intrigante condição do paciente sugere que, para que haja consciência, basta que já tenhamos armazenado as informações necessárias.

Imagem aleatória mostrando o crânio "preenchido" pelo cérebro

Ademais, os especialistas sugerem que tudo parece indicar que o cérebro permanece continuamente — e inconscientemente — aprendendo e reescrevendo sua própria atividade, e é esse trabalho árduo do órgão que forma a base da consciência. No caso do homem francês, embora ele tivesse apenas uma pequena porção de seu cérebro, os neurônios que restaram permitiram que ele se mantivesse funcional.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.