Descubra quais são os 10 países menos e os 10 mais corruptos do mundo
803
Compartilhamentos

Descubra quais são os 10 países menos e os 10 mais corruptos do mundo

Último Vídeo

Independente do seu meio de comunicação preferido — rádio, jornal, TV, internet etc. — para conferir as notícias do dia, infelizmente você sempre vai encontrar alguma coisa a respeito da corrupção que parece nos cercar por todos os lados. No entanto, esse não é um problema exclusivamente nosso nem dos países mais pobres, já que os habitantes das nações mais desenvolvidas também se preocupam bastante com essa questão e vivem vigilantes.

Essa preocupação se reflete no ranking elaborado pelo pessoal da Transparency International, que, todos os anos, analisa pesquisas realizadas por instituições respeitáveis dos 175 países que aparecem na sua classificação.

Os resultados refletem as opiniões de pessoas de todo o mundo — incluindo as de especialistas que vivem e trabalham nas nações e territórios avaliados — com respeito à percepção da corrupção no setor público, pontuando os países participantes com “notas” de 0 a 100.

O levantamento divulgado neste ano foi realizado com base em pesquisas conduzidas durante o ano de 2014, e nós aqui do Mega Curioso selecionamos os 10 melhores e os 10 piores classificados para você conferir.

Veja quais são os 10 países menos corruptos do mundo:

10º lugar: Austrália

Pontuação: 80.

Apesar de a Austrália não contar com uma legislação claramente elaborada com respeito ao combate à corrupção, o país não enfrenta problemas muito significativos nesse sentido — e ficou em 10º lugar no ranking.

9º lugar: Canadá

Pontuação: 81.

Com um escore 81 de 100, o Canadá conquistou a 9ª colocação na lista, embora o levantamento feito pela Transparency International tenha revelado que 30% dos empresários canadenses acreditam que a corrupção e os subornos sejam um grande problema no país — e que o governo não está fazendo muita coisa para solucionar isso.

8º lugar: Luxemburgo

Pontuação: 82.

Luxemburgo bateu os 82 pontos no ranking da Transparency International, mas, apesar do bom desempenho, os habitantes do Estado revelaram que não confiam muito nos partidos políticos luxemburgueses.

7º lugar: Holanda

Pontuação: 83.

A Holanda conta com uma rígida política anticorrupção e com um sistema judiciário independente, e isso certamente se reflete em sua “nota” de 83 pontos na classificação geral.

6º lugar: Singapura

Pontuação: 84.

Outro local que implementou uma forte política anticorrupção e duras punições para garantir que as leis sejam seguidas é Singapura, que ficou em sexto lugar com 84 pontos no ranking da Transparency International.

5º lugar: empate entre Noruega e Suíça

Pontuação: 86.

Na Noruega, os habitantes podem não só ser processados por corrupção no país, como responder por crimes cometidos no exterior também. Portanto, não é de se surpreender que os casos relacionados com esse tipo de infração sejam extremamente raros.

Já na Suíça, assim como em Luxemburgo, a população não confia muito em seus políticos, não. Porém, outros aspectos avaliados pela Transparency International acabaram compensando esse aspecto negativo apontado pelos suíços, levando o país a bater os 86 pontos no ranking e dividir o 5º lugar com a Noruega.

4º lugar: Suécia

Pontuação: 87.

Além de a Suécia contar com leis anticorrupção efetivas, a maioria das agências governamentais se destaca por seu alto grau de transparência.

3º lugar: Finlândia

Pontuação: 89.

Com 89 pontos de 100, a Finlândia se destacou pela eficiente estrutura criada para combater a corrupção — que é praticamente inexistente no país.

2º lugar: Nova Zelândia

Pontuação: 91.

A Nova Zelândia, com seu governo sólido e respeitado, bateu a “nota” 91 no ranking e ficou apenas 1 ponto abaixo do grande vencedor.

1º lugar: Dinamarca

Pontuação: 92.

A população dinamarquesa exige total transparência do Governo e cobra que as empresas e demais organizações que atuam no país assumam cada vez mais responsabilidade social — e não se contenta com promessas. Assim, por essas e outras, a Dinamarca ficou em primeiro lugar no ranking com 92 pontos e recebeu o título de nação menos corrupta do mundo.

Agora, os 10 mais corruptos:

10º lugar: empate entre o Camboja, Mianmar e Zimbábue

Pontuação: 21.

O Camboja sofre há anos com políticos e empresários que exploram as finanças do país para proveito próprio, assim como no Zimbábue, onde em 2011 o então Ministro das Finanças, Tendai Biti, revelou que US$ 1 bilhão da renda proveniente da exploração de diamantes havia desaparecido dos cofres do Governo. Em Mianmar as coisas não são muito diferentes, com vários políticos sendo acusados de desviar o dinheiro público para contas pessoais no exterior.

9º lugar: empate entre Síria e Burundi

Pontuação: 20.

A situação na Síria é incrivelmente delicada, com o conflito contra o Estado Islâmico minando os esforços de erradicar a corrupção e levando milhares de refugiados a fugir do país. Já o Burundi enfrenta graves problemas, devido ao sistema judiciário falho, à polícia corrupta e às fraudes cometidas pelos membros do governo.

8º lugar: empate entre o Iêmen, Guiné-Bissau, Haiti, Venezuela e Angola

Pontuação: 19.

Corrupção política, altos níveis de desemprego, tráfico de drogas, lavagem e desvio de dinheiro público são alguns dos problemas que afetam o Iêmen, Guiné-Bissau, Haiti, Venezuela e Angola, que empataram em 8º lugar no ranking com 19 pontos de 100.

7º lugar: Eritreia, Uzbequistão e Líbia

Pontuação: 18.

Começando pela Eritreia, embora o país seja oficialmente uma democracia, o governo é composto por um único partido — controlado por políticas econômicas e legislativas falhas. No caso do Uzbequistão, apesar de sua economia ter se mantido relativamente estável durante a crise que assolou a vizinha Europa, os altos índices de corrupção no executivo também não permitiram que o país crescesse muito.

Já na Líbia, mesmo após o governo do ditador Gaddafi ter sido derrubado, a nação não conseguiu estabilizar sua política e, desde então, o país se tornou palco de conflitos entre simpatizantes do antigo regime e rebeldes — o que abriu caminho para o tráfico ilegal de armas e o surgimento de uma legião de militares corruptos.

6º lugar: Turcomenistão

Pontuação: 17.

O Turcomenistão, por sorte, conta com vastas reservas de petróleo e gás natural, mas, por azar, seus políticos não são muito certinhos com a receita proveniente dessas fontes e acabaram espantando muitos investidores estrangeiros. Além disso, o fato de o país fazer fronteira com nações como o Irã, o Afeganistão e o Cazaquistão também não o ajudou a somar muitos pontos no ranking.

5º lugar: Iraque

Pontuação: 16.

Além do combate ao Estado Islâmico — que deu origem a inúmeros conflitos que seguem abalando o país —, o Iraque também sofre profundamente por conta da corrupção política.

4º lugar: Sudão do Sul

Pontuação: 15.

O Sudão do Sul só foi conquistar a sua independência em 2011, portanto o país ainda não teve tempo de criar uma estrutura de governo sólida — abrindo espaço para que políticos corruptos acabassem tomando o poder. Por isso, a nação não passou do quarto lugar do ranking, somando apenas 15 pontos.

3º lugar: Afeganistão

Pontuação: 12.

Imagine um país que serve de lar para o Talibã e a Al-Qaeda, além de estar geograficamente posicionado em uma região pra lá de turbulenta do mundo. Para piorar, o governo do Afeganistão não tem força para lutar contra as duas organizações terroristas, e o atual presidente foi acusado de aceitar propina do Exército norte-americano.

2º lugar: Sudão

Pontuação: 11.

O governo do Sudão é controlado por um único partido que, desde 1989, está no poder e não conseguiu solucionar os muitos problemas enfrentados pelo país, que foi assolado por duas violentas guerras civis — que culminaram na independência da região sul. Como consequência, cerca de 65% da população vive abaixo da linha da pobreza.

1º lugar: Empate entre a Somália e a Coreia do Norte

Pontuação: 8.

Além de a Somália não contar com uma estrutura de governo sólida, a expectativa de vida por lá é de 55 anos e apenas 29% da população vai à escola. Isso sem falar nos piratas somalianos armados que tocam o terror no Oceano Índico! Mas a nação africana não ficou sozinha na primeira colocação de países mais corruptos do mundo.

A Somália divide o primeiro lugar com a Coreia do Norte, país comandado pelo regime ditatorial de Kim Jong-Un. Lá é comum que membros da população cumpram penas em campos de trabalho sem passar pelo devido processo judicial. Ademais, os gastos com as Forças Armadas superam — de longe — o orçamento focado em necessidades da população, e ninguém sabe direito como é que o governo conduz seus negócios.

***

Você ficou curioso em saber como o Brasil se saiu no ranking da Transparency International? O nosso país conquistou 43 pontos e ficou na 69ª colocação — juntamente com a Bulgária, Grécia, Itália, Romênia, Senegal e Suazilândia.

No entanto, vale lembrar que, conforme explicamos no início da matéria, a classificação foi elaborada com base em pesquisas de opinião conduzidas em 2014 e, de lá pra cá, muita coisa aconteceu — e a percepção da população brasileira com respeito à corrupção no país mudou bastante. Portanto, é muito provável que o ranking de 2015 traga novidades não muito agradáveis.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.