Tudo sobre as doenças que o bebê pode adquirir na creche e como tratar
15
Compartilhamentos

Tudo sobre as doenças que o bebê pode adquirir na creche e como tratar

Último Vídeo

A maioria das mamães que trabalham e que não têm com quem deixar os pequenos quando acaba a licença-maternidade, por volta dos 4 meses, os deixam em creches. É nesse período que o bebê adoece mais, pois o sistema imunológico ainda está se fortalecendo, e os papais vão perceber que é na fase da escolinha que ele adoecerá com frequência.

Na creche, o pequeno entra em contato com outras crianças fora do convívio familiar, o que estimula a defesa do corpo desde cedo. Mas isso é completamente normal, segundo os especialistas, que avisam que até os 2 ou 3 anos é esperado que as crianças tenham até 12 infecções por ano relacionadas a casos menos graves, como gripes e febres.

É por isso que proteger excessivamente o bebê do contato com outras pessoas não é garantia de que ele será mais saudável. De acordo com médicos, o sistema imunológico é desenvolvido em parte pelas doenças que enfrentam, e quando uma criança é criada em um ambiente de constante limpeza, ela tem mais chances de desenvolver problemas relacionados a alergias quando cresce. Veja abaixo algumas das mais comuns que a Alô Bebê selecionou.

Primeiro filho fica mais doente do que o segundo

Muitos papais se perguntam se é normal o primeiro filho ficar mais doente que o segundo, quando vão a creches ou escolas. Realmente é comum que isso aconteça, porque o primeiro filho, por estar em contato com crianças e adultos mais cedo, leva para dentro de casa viroses e infecções que ele só pegou quando entrou na creche ou na escolinha, mas que o filho mais jovem terá acesso dentro de casa, ao interagir com o irmão mais velho.

O fenômeno, no entanto, é benéfico, e não apresenta riscos para a saúde dos pequenos, embora os pais possam ficar desesperados.

Como diminuir o risco de o pequeno ficar doente

Evitar que o pequeno fique doente ao ir à creche é praticamente impossível. Isso porque haverá troca de saliva, abraços, contato com objetos novos e muitos outros fatores que farão seu filho ficar fragilizado, já que não é possível higienizar tudo o que a criança tocar, apesar de a interação ser totalmente benéfica para a construção das relações humanas.

Mesmo assim, é muito importante que os papais saibam escolher o local mais adequado para colocar seus filhos no período em que não poderão cuidar dele, já que algumas recomendações devem ser levadas em conta. Veja:

  • Poucas crianças devem permanecer no mesmo ambiente, pois uma lata quantidade por sala, ainda mais fechada, pode aumentar o índice de doenças, principalmente as respiratórias;
  • As salas devem possuir um espaço adequado com boa ventilação, além de terem acesso a ambientes abertos e luz solar frequentemente;
  • Os professores que cuidam das crianças devem ser devidamente treinados e orientados, além de estarem com a carteira de vacinação em dia, incluindo a vacina sazonal contra a gripe;
  • Deve haver comunicação clara entre a escola ou creche e os pais, principalmente quando houver um amiguinho que adoeceu, um surto de doença ou mudança de comportamento da criança;
  • A escola ou creche devem ter proibir a presença de crianças doentes no ambiente até que elas estejam curadas. Assim os demais colegas não são expostos ao mesmo perigo;
  • O local deve contar com supervisão pediátrica para orientar funcionários e solucionar problemas de saúde que possam surgir entre as crianças. Não é necessário ter um pediatra de plantão, a não ser que seja uma escola ou creche com um grande número de crianças;
  • A escola ou creche deve possuir um ou mais profissionais na área de enfermagem, preparados para cuidar de machucados, cortes e doenças simples que podem acontecer a qualquer momento;
  • Seu filho deve estar com a carteira de vacinação em dia, para evitar que doenças mais graves possam atingir o pequeno e seus companheiros.

Doenças que podem ser transmitidas na creche ou escolinha

Na escolinha ou na creche é mais fácil a transmissão de doenças e as principais vias de transmissão nesses ambientes são:

Via respiratória

São doenças transmitidas pelo ar, principalmente gripes, resfriados, estomatites, etc.

Via orofecal

As doenças transmitidas via orofecal são aquelas em que as crianças entram em contato com superfícies contaminadas por fezes. Entram nesse perfil doenças relacionadas a viroses, que provocam vômitos, e doenças que causam diarreia.

Pela pele

São doenças que podem ser passadas pelo contato da pele, como impetigo, molusco contagioso, etc.
Para tratar essas doenças é fundamental que o papai e a mamãe, primeiramente procurem o médico de confiança da família e sigam o tratamento indicado por ele. Além disso, toda a criança que está doente não deve ser mandada à creche ou escolinha pelo risco de agravar seu estado de saúde e contaminar outras crianças. Doente, a imunidade do pequeno vai trabalhar para combater o problema, deixando-o mais suscetível a piorar ou contrair novas doenças.

Caso o pequeno apresente quadros de doenças crônicas, como bronquites ou pneumonia, um acompanhamento médico frequente é indicado para que ele possa estar sempre bem e apto a ir à escolinha ou creche.

Além disso, desde quando decidem colocar o filhote na escola, os papais precisam ter um “plano B”, caso a criança fique doente e não possa frequentar a creche. Converse com os avós, amigos e parentes confiáveis, ou até mesmo verifique se é possível tirar um dia do trabalho para cuidar do pequeno. Você nunca deseja que isso aconteça, mas é sempre bom ter uma carta na manga para que a criança cresça saudável e cheia de amor.

Via assessoria

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.